sábado, 12 de agosto de 2017

Tenossinovite e o skate

Como falamos no última semana o tornozelo do skatista é a região do corpo que mais sofre lesões. Hoje falaremos sobre mais uma delas, a tenossinovite.
Tenossinovite dos fibulares é a inflamação da bainha que reveste e protege os tendões. Os tendões fibulares (fibular curto e fibular longo) são estruturas que ligam a musculatura da parte lateral da panturrilha ao pé. A função destes tendões é principalmente estabilizadora, evitando as torções do tornozelo. O tendão fibular curto é mais suscetível a sofrer lesões, devido à posição que ocupa em seu trajeto desde a perna até o pé.
Suas principais causas estão diretamente ligadas ao skate como traumas repetitivos, movimentos bruscos e lesões nos ligamentos do tornozelo. Outros fatores importantes são o pé cavo, pisada supinada acentuada e a frouxidão ligamentar.
Os sintomas mais comuns são as dores na região lateral do tornozelo e do pé, edema e a instabilidade do tornozelo.
O diagnóstico é realizado através da história clínica e pelos sintomas apresentados pelo paciente, em conjunto com exames complementares tomografia computadorizada e ressonância magnética.
O tratamento é simples, analgésico e anti-inflamatório por via oral prescrito pelo médico, fisioterapia (termoterapia, mobilidade, e liberação miofascial) e o principal de todos, o repouso. Em alguns casos a imobilização também pode ser uma boa alternativa.
Cuidar do seu corpo é cuidar de você, prolongue sua vida útil sobre o skate e obtenha um melhor desempenho sobre o carrinho.
 Lembre-se: ande de skate, evolua e divirta-se.

sábado, 5 de agosto de 2017

A SIPT no skate

O tornozelo do skatista é uma região que trás grande preocupação, sendo a região que mais apresenta lesões dentro do skate. Hoje abordaremos um tema bem específico que é a síndrome do impacto posterior de tornozelo no skatista.
A síndrome do impacto posterior do tornozelo (SIPT) é uma lesão que ocorre na região de partes moles posterior ou no segmento ósseo do lado posterior (interno) do tornozelo. O local da lesão é a porção posterior do talus, o osso do tornozelo, que se encontra com a parte inferior da perna (tíbia). A SIPT pode ser identificada como uma questão aguda que ocorre de um incidente traumático específico ou crônica de uma flexão plantar forçada repetitiva de baixo grau, que é definida como apontar os dedos dos pés e o pé para o solo, movimento comum para realizar várias manobras no skate.
Os principais sintomas da SIPT são a dor, vermelhidão, inchaço e calor no tornozelo posterior (internamente). A dor se torna pior ao apontar os dedos dos pés e pé para baixo ou na hora de remar, saltar ou cair fora do skate quando a manobra não sai com perfeição.
Outro ponto importante são os traumas diretos no tornozelo, com o skate, solo ou em obstáculos, lesões antigas no tornozelo que não foram tratadas. O tênis usado para andar de skate também é de suma importância para evitar este tipo de problema portanto fique ligado nas marcas que desenvolvem tecnologias de proteção e conforto para os seus pés
O tratamento fisioterapico ajuda no gerenciamento da dor, restaurar a amplitude de movimento, manutenção da força muscular, aumentar o equilíbrio, recuperar as habilidades funcionais e restaurar os padrões de movimento normais. Algumas das técnicas utilizadas para reduzir a dor podem incluir massagem com gelo e estimulação elétrica.
 Para recuperar o movimento pode ser realizado mobilizações que ajudam tornozelo a começar a se mover normalmente. O fortalecimento dos músculos do tornozelo podem ajudar a auxiliar a mecânica articular adequada, diminuindo o risco de problemas futuros. Já o treino de equilíbrio pode ajudar a tornar o tornozelo mais estável em conjunto com o fortalecimento, a fim de evitar mais lesões, progredindo para atividades mais funcionais para ajudar a retornar ao skate.
Cuidar do seu corpo é fundamental para prevenir lesões e aumentar sua vida útil sobre o skate. Lembre-se: ande de skate, evolua e divirta-se.

sábado, 22 de julho de 2017

Banda Iliotibial e a dor no joelho dos skatistas

Dor no joelho é sinal de alerta para qualquer skatista. Geralmente as dores acontecem após um trauma direto, entorse ou às vezes de forma contínua devido ao desgaste de algum componente do joelho. Mas uma dor na lateral do joelho que muitas vezes vai e volta sozinha gera muita dúvida na cabeça do skatista, trata-se da banda iliotibial.
O trato iliotibial é a continuação tendínea do músculo tensor da fáscia lata e do glúteo médio, um tecido que começa no quadril e segue pela lateral da perna até o joelho. Quando há algum desvio postural causado por falta de força muscular, por exemplo, esse tendão pode sofre atrito com o epicôndilo lateral do fêmur (osso da coxa) quando você flexiona o joelho a 30º. Esse fricção excessiva durante o movimento de embalar o skate gera irritação, que se não for tratada se torna uma inflamação.
Os sintomas característicos da lesão são dor ao toque na região lateral do joelho, tensão no trato iliotibial e no músculo vasto lateral e, em casos mais crônicos, tensão nos músculos tensor da fáscia lata e glúteo médio.
Antes pensava-se que essa lesão acontecia devido à um atrito exagerado da banda iliotibial com o osso da perna, o fêmur, porém novas descobertas apontam que a inflamação na verdade acontece devido ao estiramento exagerado dessa estrutura.
As razões para esse estiramento excessivo e prejudicial podem ter diversas origens. As mais comuns são a biomecânica inadequada na hora de remar o skate e a rigidez da próxima banda. A principal alteração biomecânica que leva ao aparecimento da síndrome da banda iliotibial é o valgo dinâmico, onde o joelho “cai” muito para dentro quando o peso do corpo está sobre ele. Para corrigir esse problema é preciso fortalecer a musculatura lateral do quadril (músculos abdutores) e realizar educativos que estimulem o joelho a permanecer alinhado.
Se a banda estiver mais rígida do que o normal, a liberação miofascial é uma boa alternativa, podendo ser feita com as mãos ou com o auxílio de uma bola ou rolo. O tratamento para a síndrome da banda iliotibial em geral evolui bem e em algumas semanas o skatista está de volta às sessões.
Porém, para que isso seja possível, é preciso iniciar o tratamento a partir dos primeiros sintomas, não deixando com que o processo inflamatório fique muito intenso e de difícil controle.
Cuidar do seu corpo é a melhor forma de prolongar sua vida útil sobre o skate.
Lembre-se: ande de skate, evolua e divirta-se.

sábado, 15 de julho de 2017

Flexibilidade e mobilidade no skate

Muitas lesões que ocorrem no skate são frutos da falta de flexibilidade e mobilidade do skatista. Mesmo começando a treinar estas valências físicas, muita gente não consegue ter o resultado esperado. Isso se deve a uma série de erros comuns no treino de flexibilidade, que poderiam ser evitados com um melhor conhecimento do assunto.
O primeiro erro quando se fala de treino de flexibilidade é entender alongamento como um nome literal. Ao contrário do senso comum, é quase impossível alongar o tecido muscular com exercícios, ele não é uma espécie de elástico que vai se enfraquecendo e se tornado mais frouxo. Isso ainda é mais absurdo quando se fala de liberação miofacial, os famosos rolinhos e bolinhas, os tecidos do corpo são fortes o suficiente para aguentar todas as pressões do dia a dia, não serão poucos minutos de massagem que irão alterar a estrutura da musculatura. Mas eles funcionam?
Sim, mas não do jeito que a maioria das pessoas acham que funcionam, fazer 30 segundos de uma postura de alongamento ou de massagem com o rolinho geram um alívio imediato, a massagem com rolinhos e similares manda sinais para o sistema nervoso relaxando a área e permitindo uma maior amplitude de movimento momentânea, o que não resolve o problema. A maioria dos resultados vem de um melhor alinhamento e de uma melhor ativação neurológica, assim a melhor forma de ganhar flexibilidade é ativar a musculatura nas posições que ela necessita ganhar amplitude de movimento.
A ativação pode ser feita simplesmente por técnicas de alongamento ativo ou com contração e relaxamento, passando mais tempo nessas posições, como agachamentos com pausas na posição mais profunda ajudam a melhorar a flexibilidade neste movimento.
É necessário se comprometer com o treino e adicionar intensidade a ele só assim será possível obter resultados significativos como vistos no Yoga por exemplo. Alongamentos ou liberação miofascial em um curto período de tempo servem como aquecimento ou relaxamento após a sessão, mas para melhorar a postura e aumentar sua flexibilidade e mobilidade é necessária uma demanda muito maior de tempo, onde para ser otimizado, deve ser avaliado o grupo muscular mais encurtado e o foco maior deve ser em cima deste objetivo até conseguir o resultado esperado mas sem deixar de lado os outros segmentos.
 Lembre-se: ande de skate, evolua e divirta-se.

sábado, 8 de julho de 2017

Os benefícios do Superman no skate

A região lombar é de grande importância para o skatista, tanto na hora de andar de skate como para manter a postura nas suas atividades diárias. Esta região é um local de preocupação pelos skatistas devido o risco de lesões, mas um exercício simples pode ajudar a fortalecer essa região e minimizar os problemas, o Superman.
Se você tem filhos ou já acompanhou o crescimento de uma criança com certeza já viu eles fazerem este exercício que é o primeiro exercício de nossas vidas. Esse exercício é o principal responsável pela sustentação da coluna. Primeiro passo no fortalecimento da musculatura paravertebral faz com que o bebê possa evoluir para posição de quatro apoios, engatinhar, sustentar a posição sentada e então ficar de pé.

Infelizmente depois que aprendemos a ficar de pé, esquecemos dele. A falta desse treino ao longo da vida pode trazer, além de uma má postura, desvios de coluna, dores e hérnias. A medida que crescemos nosso corpo se modifica e ele deve estar sempre sendo treinado para essas mudanças. É assim com as crianças em idade escolar, quando ganhamos ou perdemos peso, quando ficamos mais altos, quando a mulher engravida, quando nos machucamos, passamos por alguma cirurgia ou, por algum motivo, modificamos algum habito diário. Fortalecer a musculatura é o único remédio para evitar que esses problemas surjam.
A execução do movimento é simples, basta deitar no chão ou em uma superfície firme com braços e pernas juntas esticadas. Contraia os glúteos e as costas e tire os braços e as pernas do chão sem dobrá-los. Estique-se ao máximo como se alguém te puxasse pelas mãos e pelos pés. Lembre-se de manter a cabeça entre os braços com o rosto para baixo, como se estivesse voando e vendo a cidade de cima. 
Este exercício pode ser feito de duas formas, movimentando-se ou em isometria, sendo que esta forma estática é melhor para iniciantes enquanto a dinâmica para quem já domina o movimento. O ideal além de fortalecer sempre alongar está musculatura com exercícios ativos ou passivos, melhorando a força e a flexibilidade os movimentos ficarão mais fluidos.
Inclua este exército na sua rotina de treinos e sinta a diferença na hora de andar de skate, garanta uma melhor postura para sua qualidade de vida e colha os benefícios sobre o skate.
 Lembre-se: ande de skate, evolua e divirta-se.

sábado, 1 de julho de 2017

A mudança no clima e as dores dos skatistas

É muito comum ouvir alguns skatistas reclamarem do aumento de dor no joelho ou em alguma outra articulação com a chegada do frio.
Embora pareça apenas superstição, há evidências científicas de que a mudança no clima pode mesmo provocar mais dores nas articulações daqueles que têm alguma patologia crônica.
Mesmo não havendo um consenso absoluto da razão desse fenômeno, ou se ele de fato é real, existem teorias plausíveis que tentam explicá-lo. A mais aceita fala sobre a mudança na pressão do ar e que ela seria a responsável pela piora da dor, e não a temperatura como se imagina.
A pressão atmosférica pode ser considerada como o “peso” do ar. Se a articulação com problema tende a inchar, quanto maior a pressão exercida por fora dessa articulação menor será esse inchaço. E a pressão atmosférica tende a cair antes da chegada do frio, o que permite maior expansão da articulação que está sensível devido à processos inflamatórios, cicatrizes ou aderência. Tudo isso é microscópico, mas para quem tem sensibilidade parece ser perceptível.
O ideal para quem sofre com a piora das dores nas alterações climáticas é manter a articulação ativa. A rigidez na região da dor pode piorar os sintomas ao invés de poupar a área dolorosa. Manter uma movimentação dentro do normal e os músculos fortalecidos é a melhor alternativa para evitar este incômodo. Seguir com as atividades normais, incluindo o skate é uma ótima opção para diminuir os efeitos da mudança do tempo sobre as articulações.
Lembre-se: ande de skate, evolua e divirta-se.

sábado, 24 de junho de 2017

Overhead Squat e o skate

Como ja falamos anteriormente, o agachamento é um ótimo exercício para os skatistas, hoje falaremos sobre um outro exercício ainda mais complexo mas que trás muitos benefícios para quem anda de skate, o Overhead Squat ou agachamento com a barra acima da cabeça. Este movimento de difícil execução exige além de força e potência muscular, mobilidade e equilíbrio, valências físicas fundamentais para qualquer skatista.
A maior exigência de mobilidade vem dos ombros, enquanto que a flexibilidade vem dos músculos do Grande Dorsal. Além da mobilidade da articulação dos ombros, é necessária a mobilidade de uma articulação muitas vezes esquecida, a do tornozelo.
Tornozelos rígidos fazem com o que o posicionamento dos pés sofram rotação externa durante a descida do movimento. Esta rotação leva a uma perda de torque, acarretando em compensação da postura nas articulações do joelho e do quadril. Outro ponto importante está no encurtamento dos músculos paravertrebrais, que são responsáveis pela estabilização da coluna vertebral.
O encurtamento nesta musculatura leva a uma flexão excessiva do tronco para frente, fazendo com que o movimento seja compensando no ombro. A falta de mobilidade/flexibilidade em alguma destas articulações e músculos, levam a um padrão de movimento incorreto, o que pode gerar lesões, portando é de suma importância o acompanhamento de um profissional na sua rotina de treinos.
Este exercício desenvolve força e potência em membros inferiores, quadril e nos músculos do core, o que é muito importante para melhorar o pop das manobras e o controle do corpo sobre o skate, além de desenvolver força em membros superiores e ombro o que é muito importante para se proteger das quedas quando as manobras não dá certo.
Em um único exercício temos muitos benefícios, apesar de sua difícil execução, seguindo os passos didáticos, trabalhando mobilidade e flexibilidade em um curto espaço de tempo é possível executar o movimento com perfeição e aproveitar todos os benefícios que ele trás para quem anda de skate.
Lembre-se: ande de skate, evolua e divirta-se.

sábado, 17 de junho de 2017

Banho de parafina no skate

Todo skatista que anda na rua leva consigo uma parafina, popularmente conhecida como "vela". Passar a vela no skate e na borda que será manobrada é primordial para fazer o skate correr. Mas a vela é muito importante também para os skatista que estão lesionados.
A parafina é uma substância branca, sólida, em forma de cera, obtida da destilação do petróleo. Para que possa ser considerada como um recurso terapêutico, ela deverá ser aquecida até alcançar seu ponto de fusão, entre 50 e 52°C. Os aparelhos de uso profissional para o aquecimento da parafina são recipientes providos de termostato para controlar a temperatura, ajustando assim seu ponto de fusão. No interior do recipiente se coloca a parafina no estado sólido, na quantidade adequada ao tamanho e à capacidade do recipiente. Será agregada a parafina, uma parte de óleo mineral (vaselina e glicerina) para cada dez partes da parafina, com função de diminuir o ponto de fusão da parafina para 45°C, diminuindo, assim, o risco de uma queimadura no paciente. Esta união de óleo mineral permite também maior maleabilidade da parafina e acelera seu derretimento.
Essa é uma técnica fisioterapêutica usada para o aquecimento de estruturas superficiais, na qual o calor é transferido para os tecidos por condução. Como a condutividade e o calor especifico da parafina são baixos, ela pode ser aplicada diretamente sobre a pele a temperaturas que normalmente não são toleráveis com a água.
A parafina pode ser usada para reduzir a dor, relaxamento muscular e melhorar a circulação local. Suas contraindicações são circulação agudas, infecções, insuficiência vascular, áreas com alterações de sensibilidade e áreas potencialmente hemorrágicas.
Com certeza este tipo de parafina é muito útil, mas com certeza usar a vela somente para fazer as manobras correrem é muito mais prazeroso e divertido.
Lembre-se: ande de skate, evolua e divirta-se.

sábado, 10 de junho de 2017

Encurtamento no quadril do skatista

O quadril é uma região do corpo de suma importância para todos os skatistas. Mas é muito comum encontrarmos skatistas com problemas nesta região, a grande maioria deles causados por encurtamento. Dificuldades para agachar na hora de dar manobras ou para voltar elas pode ser sintoma de que você tem o flexor de quadril encurtado.
Essa condição física é muito comum e pode não só te limitar funcionalmente no dia a dia, reduzindo sua mobilidade para atividades cotidianas, como também é capaz de estragar suas sessões de skate e causar lesões sérias. O flexor de quadril encurtado é mais comum nos homens e reduz a mobilidade do quadril, fazendo com que fique travado.
A flexão do quadril é realizada por um grupo de músculos, o primeiro deles é o Iliopsoas (que é o conjunto de 3 músculos) que se subdivide em,Psoas maior, um dos músculos primários do movimento de flexão do quadril sua origem na coluna vertebral (entre L5 e T12) e inserção no femur. O Psoas menor é um músculo pouco menor que tem sua origem na coluna vertebral e inserção na pelve. Já o Ílio junto ao psoas maior é extremamente importante na flexão do quadril, sua origem está no ílio e sua inserção exatamente ao lado do psoas maior no femur. Completam este grupo o Sartório, com origem na pelve e inserção na tíbia, portanto passa a ser um músculo que move duas articulações a do quadril e do joelho. E o Reto Femoral que origina-se na pelve e se insere na patela, cruzando também a articulação do joelho. O sartório e o reto femoral auxiliam a flexão do quadril, mas são coadjuvantes nesse papel. Ao mesmo tempo, seu encurtamento pode limitar o movimento e ajudar a retrair a lombar também. O encurtamento dos flexores de quadril podem ocasionar uma série de problemas, o primeiro e mais importante é o aumento da lordose lombar, gerando dores na coluna lombar ou torácica. Isso acontece porque o iliopsoas se insere na coluna e, quando está encurtado, acaba tracionando a coluna e aumentando a lordose.
 Quem trabalha muito tempo sentado ou dorme de lado com os quadris flexionados (com os joelhos perto do peito) aumentam ainda mais esse encurtamento, pois o músculo nunca é submetido a um alongamento. Se você tem um quadril muito rígido, deve já começar a mobilizá-lo para evitar essas implicações mais sérias. Outro problema convencional dos flexores do quadril encurtados é limitar sua sessão de skate. No caso do agachamento, movimento necessário para a execução do ollie e para a volta de algumas manobras, o tronco fica mais inclinado para a frente ao realizar o movimento. Isso modifica a mecânica do movimento, solicitando menos das pernas e mais da coluna lombar, o que acaba agravando ainda mais a situação.
Se você não sabe, ou se tem dúvidas sobre a mobilidade do seu quadril, existe um teste extremamente simples que pode indicar se você tem flexores de quadril encurtados. O Teste de Thomas, que avalia o encurtamento dos flexores do quadril com precisão, deve ser acompanhado por um fisioterapeuta. No entanto, é possível desconfiar sobre a existência ou não do problema sozinho. O teste consiste em deitar-se numa cama e flexionar uma das pernas, mantendo a outra estendida (de preferência apoiada apenas até o joelho na cama e sem tocar o chão). É a perna estendida que será avaliada. Se, durante da flexão de uma das pernas, o joelho da outra ou o quadril no lado da perna estendida se flexionarem, possivelmente você tem o encurtamento e, então, você deverá conversar com um fisioterapeuta ou ortopedista para buscar a solução do seu problema.
 Fiquem ligados que em breve vamos mostrar alguns movimentos simples para alongar o quadril e evitar que este problema surja para atrapalhar suas sessões de skate.
 Lembre-se: ande de skate, evolua e divirta-se.

sábado, 3 de junho de 2017

Benefícios da meditação no skate

O skate é uma atividade tida por muitas pessoas como radical, a adrenalina que o skate trás na realização de manobras e a sensação de liberdade sobre o skate são algo que faz quem experimenta não largar nunca mais. E para controlar toda esta adrenalina uma prática vem sendo aderida por muitos skatistas, a meditação.
A meditação pode ser descrita como uma série de práticas que visam gerar um estado de consciência alterado, criando relaxamento e concentração através da exploração da respiração, concentração e repetição de padrões.
Quando se pensa em mente logo se pensa no cérebro, uma esfera localizada no topo do corpo que envia comandos para todas as outras regiões, porém o sistema nervoso se distribui por todo o corpo em uma complexa rede de neurônios que recebe e envia sinais para todos os órgãos. Melhorar o sistema nervoso não impacta apenas no “chefe” do corpo, mas nele como um todo, por isso o interesse dos skatistas nesse tipo de prática.
Artigos mostram que a meditação melhora a resiliência física e mental, além de melhorar a capacidade de foco e promover uma melhora no funcionamento do sistema imunológico.
Hoje é muito fácil aprender a meditar com apps que além de ajudarem as pessoas a treinar sem um mentor, também servem para tornar a prática acessível em qualquer lugar do mundo.
 Como já dizia nosso amigo Kamau, "concentração (foco), mente, corpo são (foco) mais convicção e menos hesitação".
 Lembre-se: ande de skate, evolua e divirta-se.

sábado, 27 de maio de 2017

O risco da automedicação no skate

Hoje falaremos sobre um tema perigoso e infelizmente muito comum entre os skatistas, a automedicação. Vários skatistas acabam se automedicando antes ou depois de andar de skate para mascarar a dor de supostas lesões usando geralmente anti-inflamatórios.
Existem dois tipos de anti-inflamatórios disponíveis atualmente no mercado os derivados dos hormônios esteroides, como a cortisona e os modernos não esteroides, usados como coadjuvantes nos tratamento de lesões inflamatórias ortopédicas, ginecológicas e outras, que apesar de serem encontrados com facilidade no comércio precisam de prescrição médica
A dor é um alarme do corpo, sua presença avisa de que algo errado ou ruim está acontecendo. Imagine que ao abolir a dor poderemos ficar sem saber, por exemplo, que temos uma distensão muscular, tendinite, artrite e outras doenças que irão piorar com a continuidade no skate. Sem dúvida teremos um risco enorme das lesões se transformarem em irreversíveis caso não sejam tratadas corretamente e o skatista continue manobrando e forçando ainda mais a lesão.
Mesmo sabendo que é uma medicação com vários efeitos colaterais sérios e que apenas um médico pode prescrevê-los, virou moda tomar anti-inflamatório antes e depois de andar de skate para não sentir dores. Hoje em dia tem sido usada a capsula gelatinosa com anti- inflamatório potente, algo totalmente desnecessário.
Os efeitos no coração e aparelho cardiovascular são conhecidos, facilita o surgimento de arritmias, permite elevação da pressão arterial e em alguns casos até isquemia cardíaca (angina ou infarto). O uso indiscriminado de anti-inflamatórios causa danos no fígado e os rins a médio e longo prazo, podendo provocar cirrose hepática e a temida insuficiência renal representada pela uremia.
Consulte sempre um médico em caso de qualquer problema de saúde e só tome medicação prescrita pelo mesmo.
Lembre-se: ande de skate, evolua e divirta-se.

sábado, 20 de maio de 2017

Escorpião X Skate

Cada vez mais é nítida a importância da preparação física no skate, a evolução das manobras que exigem cada vez mais do corpo mostra que ele precisa cada vez mais estar preparado para dar conta do recado e também evitar lesões.
Um dos segredos para evitar lesões e ter um bom desempenho sobre o skate está na flexibilidade e na mobilidade articular do skatista. Hoje falaremos sobre um alongamento que trabalha alguns dos principais pontos de performance do skatista, o escorpião
O escorpião é excelente para a mobilidade da coluna e do quadril, alongando a parte anterior do tronco, fundamentais para quem anda de skate. Ele é um ótimo movimento para ser executado antes de andar de skate ou para finalizar a sessão. No início é melhor trabalhar com pouca amplitude, evitando riscos de lesão e garantindo que os ombros permaneçam no chão, evitando compensações que irão reduzir o alongamento anterior. Quando realizado de forma dinâmica, o escorpião exige certa coordenação, mas aumenta os resultados em mobilidade articular.
A região lombar e do peitoral, em muitos skatista apresenta encurtamentos, e estes necessitam de mobilidade na região lombar, por isso, o escorpião é um exercício que não pode faltar em se tratando de mobilidade e funcionalidade. É comum notar um lado mais encurtado pela dificuldade no movimento, mas isso é atenuado com a prática, e em um curto espaço de tempo isso pode ser corrigido.
Seu corpo é sua principal ferramenta para andar de skate, portanto cuide bem dele e aproveite todos os benefícios que o skate pode proporcionar.
 Lembre-se: ande de skate, evolua e divirta-se.

sábado, 13 de maio de 2017

Mantendo o Sigilo na Selva de Pedra

Nesta ultima semana nossa parceira Cisco apresentou um reforço de peso para seu time de skatistas. Trata-se de Paulo Piquet, skatista profissional de São Paulo que chega apresentando seu primeiro model pela marca em uma colaboração com a Sigilo.
Para celebrar esta nova fase na carreira, Paulo Piquet apresentou uma vídeo parte entitulada "Mantendo o Sigilo na Selva de Pedra" com muita manobra pesada e que você confere agora.
Se você procura um shape de maple e valoriza o mercado nacional, corra até a skateshop mais próxima e adquira o promodel que está disponível em três tamanhos diferentes.

sábado, 6 de maio de 2017

Os principais tipos de alongamento no skate

Na última semana falamos sobre a importância do alongamento para os skatistas, seus benefícios na preparação física e sua importância na reabilitação de lesões. Hoje vamos falar sobre os diferentes tipos de alongamento e onde cada um deles se encaixa na rotina de um skatista.
Para começar vamos falar sobre o alongamento estático, tipo mais comum de alongamento, feito quando os músculos são esticados e você permanece numa posição estática. O tempo ideal desse alongamento pode variar entre 20 e 30 segundos, antes de andar de skate. Alongar por mais de 30 segundos provoca um relaxamento dos músculos, prejudicando a produção de força muscular, alongar por um período mais longo é ideal após as sessões, melhorando a flexibilidade, postura e promovendo um relaxamento muscular importante para a recuperação do corpo.
O alongamento dinâmico é muito importante para os skatistas, ele é indicado para casos em que o ganho da flexibilidade melhora o desempenho esportivo. Fazer alongamentos dinâmicos, como a elevação dos joelhos, o agachamento, rotação de tronco é sempre positivo, porque aumenta a mobilidade das articulações e a amplitude do movimento. Alongamentos dinâmicos devem ser realizados após um período inicial de aquecimento, feitos a partir de movimentos curtos e deslocamentos pelo solo.
Já o alongamento passivo é feito com a ajuda de alguém ou com o auxílio de algum aparelho como uma faixa elástica ou até mesmo uma bola suíça, por isso é importante ter noção do seu limite e interromper o alongamento se sentir dores excessivas. Ele é importante no final das sessões buscando um relaxamento muscular visando uma boa recuperação do corpo.
Por último temos o alongamento específico que é o mais recomendado antes de andar de skate. Ele trabalha os músculos e as articulações principais usados no skate e é fundamental para a prevenção de lesões. Fora estes quatro tipos de alongamentos temos também a facilitação neuromuscular, uma técnica excelente para skatistas mas que necessita de um profissional capacitado para executar este tipo de alongamento.
O ideal para ter um corpo flexível e um bom desempenho no skate além de prevenir possíveis lesões é fazer uma mescla de todos estes tipos, dando ênfase às principais limitações de movimentos e grupos musculares usados no skate, por isso o acompanhamento profissional é muito importante para obter melhores resultados.
Lembre-se: ande de skate, evolua e divirta-se.

sábado, 29 de abril de 2017

A importancia do alongamento no skate

Andar de skate desgasta muito o corpo, e um dos segredos para recuperar as "energias" e chegar inteiro na próxima sessão está na realização dos alongamentos.
O alongamento é um exercício físico voltado para a flexibilidade dos músculos. Ele promove o estiramento de boa parte das fibras musculares, além de propiciar uma amplitude maior nos movimentos, melhorando a performance em diferentes atividades físicas como o skate. Fazer alongamento é essencial para a saúde da musculatura.
A prática ajuda a manter o corpo menos tenso e mais flexível, melhorando potencialmente a movimentação das articulações, diminuindo assim possíveis pontos de dor. Ele é focado na manutenção ou elevação dos níveis de mobilidade articular e elasticidade muscular.
Esses fatores associados contribuem potencialmente na melhora postural, aumenta a sensação de bem estar, diminui as dores e tensões e possibilita a consciência corporal, requisito imprescindível para o equilíbrio, indispensável no skate.
A fisiologia é bastante clara nesse sentido, músculos encurtados e tensos limitam a amplitude dos movimentos o que dificulta a realização de várias manobras, afetam a postura e em certos casos, a precariedade na flexibilidade da musculatura pode gerar sérios desconfortos físicos.
Portanto alongar não é somente bom para prevenir lesões e melhorar sua performance no skate, mas sim para gerar vários benefícios que vão melhorar sua qualidade de vida.
Fiquem ligados pois nas próximas semanas vamos estar falando sobre os diferentes tipos de alongamentos e para que serve cada um deles.
Lembre-se: ande de skate, evolua e divirta-se.

sábado, 22 de abril de 2017

After Session

Andar mais para evoluir mais é o melhor caminho? Nem sempre. Alguns hábitos de recuperação e de descanso são importantes para manter o corpo e a musculatura em boas condições.
Todo skatista sabe o quanto a prática exige da capacidade física devido às sessões cada vez mais. Para aqueles mais “viciados”, as sessões diárias e longas podem trazer mais do que a exaustão, como também pequenas lesões e desconfortos.
Algumas práticas simples podem não só colaborar com o processo de evolução no skate como também na recuperação do corpo. Veja alguns bons hábitos que você pode seguir depois de andar. O primeiro deles é a hidratação, manter o corpo hidratado não é tarefa a ser cumprida apenas durante quando se anda de skate. Sabendo que a desidratação pode acontecer (por diversos fatores) e que o corpo humano é formado em sua maior parte por água, é necessário repor o que foi perdido.
A alimentação também é fundamental, recupere as energias e alimente seu corpo. Mesmo em pequenas sessões de skate, alguns músculos são muito exigidos e, por isso, é necessário e muito importante abastecer e repor o que foi gasto andando de skate.

Exercícios de mobilidade e alongamentos são grandes aliados para quem anda, pois auxiliam no relaxamento e na “soltura” dos músculos. Exercícios leves auxiliam na oxigenação e, consequentemente, na recuperação muscular. Por isso, vale ressaltar que devem ser feitos de forma moderada, já que você acabou de exigir o máximo do seu corpo no skate.
Perceba suas dores e fraquezas pós-treino e trabalhe em sua recuperação. Bons exemplos são os famosos rolinhos e bolinhas. Massagear as áreas mais doloridas reduz possíveis inflamações causadas pelo desgaste muscular. Outro velho aliado é o gelo. Alguns minutos de crioterapia auxiliam na recuperação muscular e seu efeito analgésico diminui a dor após as atividades físicas.
O último ponto e não menos importante é o descanso. Dormir oito horas diariamente é o considerado ideal, mas nem sempre é o suficiente. Dê uma folga para o seu corpo e libere o estresse causado pelo esforço sucessivo, tire o dia para ver os vídeos e revista de skate, trocar uma ideia com os amigos e relaxar a mente para aprender novas manobras.
Lembre-se: ande de skate, evolua e divirta-se.

sábado, 15 de abril de 2017

Chocolate X Skate

Andar de skate gasta muita energia do nosso corpo, por isso que além da preparação física a alimentação vem ganhando cada vez mais importância dentro do skate. Mas o que comer antes e depois de andar de skate? Será que comer aquele chocolate que todos nós gostamos, ajuda ou atrapalha?
Consumir chocolate amargo depois da sessão de skate pode oferecer inúmeros benefícios aos skatistas, não só por ser um alimento hipercalórico que trás bastante energia. O cacau é um alimento natural rico em antioxidantes, responsáveis por destruir os radicais livres, moléculas que ficam soltas em nosso organismo, que acabam entrando nas nossas células causando lesão ou morte das mesmas.
O recomendado é o consumo de chocolate amargo com mais de 70% de cacau, os ao leite possuem relativamente baixa concentração cacau e mais gordura e açúcar. Para se ter uma ideia, um pedaço desse alimento contém duas vezes mais antioxidantes, proantocianidinas e polifenós, que um copo de vinho tinto e quase a mesma quantidade de uma xícara de chá verde. Essas moléculas retardam o crescimento das células cancerígenas e impedem que a gordura se instale nas paredes dos vasos sanguíneos.
O chocolate melhora o humor, ajuda no combate da depressão, controla a ansiedade e estimula os centros do prazer e bem-estar. Estudos realizados na Escola de Saúde Pública de Harvard, nos Estados Unidos, concluíram que quem come chocolate regularmente vive um ou dois anos a mais do que quem não come. Enquanto que uma pesquisa da Universidade da Califórnia apontou que pessoas que consomem frequentemente o alimento apresentam menor índice de massa corporal, pelo fato de acelerar o metabolismo.
Para ter todos os ganhos do alimento, o ideal é incluí-lo na alimentação com orientação de um nutricionista, para que ele indique a quantidade necessária que deve ser consumida e, assim, não ultrapassar o valor calórico. Agora que você já sabe de tudo isso, é só andar de skate e depois aproveitar todos estes benefícios que o chocolate traz.
 Lembre-se: ande de skate, evolua e divirta-se.

sábado, 8 de abril de 2017

Longevidade no skate

O skate é uma atividade física de alto impacto e muita intensidade, e a evolução das manobras pode gerar um nível elevado de desconforto no corpo devido ao desgaste que o skate gera, mas isso não pode ser equiparado com dor. Dor, principalmente articular não deve estar presente na vida de um skatista. Por mais que o mito que atletas profissionais tenham que conviver com dor, esse não é o paradigma atual dos melhores esportistas do mundo.
Não estou falando somente de skatistas profissionais, mas do skatista como eu ou você que se diverte diariamente sobre o skate, estando com dor ou não.No geral dor é um indicativo de mal funcionamento do corpo, ela não deve ser evitada por si só, mas porque seguir andando de skate com dor é uma forma de reforçar padrões de movimento negativos, criar compensações e gerar mais desgaste sobre sistemas que já não estão funcionando de maneira correta.
O tratamento dessas dores também deve ser feita de maneira inteligente. É comum skatistas buscarem todo tipo tratamentos alternativos e auto medicação para aliviar dores, esses tipos de tratamento podem até remediar as dores e fazer o skatista continuar andando, porém nunca vão tratar os problemas posturais que são a raiz da dor e vão causar o danos a longo prazo.
Tratar a dor é importante, mas isso tem de ser feito de maneira sistêmica, na grande maioria dos casos dores no tornozelo, joelho, lombar e ombro não são derivadas dessas articulações, mas problemas de mobilidade e estabilidade em toda a cadeia, então essas dores devem se tratadas principalmente com um trabalho de mobilidade e estabilidade nesses pontos sensíveis e não com tratamento de dor diretamente na articulação, apesar desse tipo de tratamento poder ser efetivo a curto prazo eles viram paliativos que só adiam problemas mais sérios, o ideal seria conciliar os dois tratamentos para obter um resultado perfeito.
Hoje em vemos em muitos esportes atletas rendendo muito já em idades teoricamente avançada, e no skate devemos pensar cada vez mais nisso, afinal andamos de skate porque amamos, indiferente de ser um profissional ou não. Está na hora do skatista pensar que resultados melhores emergem de corpos que são mais eficientes e isso leva a longevidade. Isso já é uma realidade no esporte de alta performance e é por isso que atletas como Roger Federer e Serena Williams estão no topo da ranking apesar de 35 anos, além de muitos outros exemplos. Cuidar do seu corpo é fundamental para sua longevidade sobre o skate.
 Lembre-se: ande de skate, evolua e divirta-se.

sábado, 1 de abril de 2017

Dor muscular no skate

Praticamente todo mundo quando começa a andar de skate sente aquelas dores musculares no dia seguinte a sessão, essa dor é chamada de dor muscular tardia, DOMS (Delayed Onset of Muscle Soreness). Ela surge em até oito horas após a sessão de skate e faz você acordar moído.
Tem pico de 24 a 72 horas depois da atividade e pode durar até uma semana. Além da dor do movimento, outros sintomas estão presentes: perda de mobilidade, dor à apalpação e espasmos musculares. Também ocorre déficit na produção de força, que surge imediatamente após o exercício e geralmente desaparece em 48 horas.
Para se recuperar, um bom descanso cai bem. Mas algumas técnicas também ajudam como compressas de gelo, alongamento, massagem exercícios leves de curta duração que melhoram a vascularização do músculo e ajudam na drenagem dos mediadores inflamatórios.

Qualquer tipo de movimento pode ocasionar a dor muscular tardia, mas elas são mais comuns nas contrações do tipo excêntricas, quando o músculo se contrai e se alonga, como nos movimentos realizados para executar manobras no skate.
O mecanismo de produção da dor muscular tardia não está completamente entendido, mas algumas teorias buscam explicar o quadro. A principal delas é que acontecem lesões teciduais com reações inflamatórias e, por isso, sentimos a dor após o treino intenso. Seguindo essa linha de raciocínio, durante o exercício de intensidade elevada há um grande aumento das enzimas musculares CPK na corrente sanguínea, indicando que houve dano tecidual.
Além da teoria principal, outras já foram levantadas para tentar explicar a dor depois do treino.
Uma delas é o distúrbio neuromuscular. Após o exercício intenso, ocorreria uma desorganização dos mecanismos de contração muscular, levando a espasmos dolorosos. O sistema neuromuscular é a ligação do cérebro com os músculos, que faz o movimento ou o gesto acontecer. Quando treinamos de forma inteligente, o sistema neuromuscular é ativado e favorece uma postura e uma execução corretas dos movimentos, além de estimular as fibras musculares. Quando estamos sem treinamento ou vamos além da conta, podem acontecer distúrbios nessa troca de informações do cérebro com os músculos.
Portanto é sempre bom respeitar os limites do seu corpo, descansar, dormir e se alimentar bem são primordiais para ter uma bom desempenho sobre o skate, além de preparar seu para uma atividade intensa e de auto impacto.
 Lembre-se: ande de skate, evolua e divirta-se.

sábado, 25 de março de 2017

Brazil é com S

Em abril de 2016, duas marcas brasileiras se uniram para explorar um Brasil verdadeiro e que se escreve com S. Assim como a ÖUS, a West Coast é uma marca brasileira com 100% de sua produção feita no Brasil, valorizando a economia e mão de obra nacional. Skate, câmera, martelo, feijão e wifi foram as ferramentas; um busão 89 e um Fusca no reboque foram os meios de locomoção.
6 skatistas, 2 videomakers, 2 fotógrafos, 2 motoristas, 1 construtor, 1 cheff e o Felipão, todos juntos numa viagem de 5.000 km por 10 dias em 7 estados a bordo de um busão 89 em um Brasil genuíno, com o objetivo de mostrar o caminho e não o destino, construir e reconstruir lugares para andar de skate, compartilhar experiências com skatistas de cada região e deixar um legado, mostrando ao mundo que um Brasil verdadeiro se escreve com S.
Confira agora como foi esta incrível viagem nos mais inusitados picos brasileiros, mostrando nossas belezas, cultura e muito skate com nossos amigos da ÖUS.




sábado, 18 de março de 2017

Importancia da mobilidade de tornozelo no skate

O tornozelo é o principal ponto de lesão no skate, principalmente no street, seja por trauma direto do skate sobre a articulação até entorses mais graves. Um dos fatores determinantes para este alto índice de lesões está na falta de mobilidade desta articulação muito requisitada no skate.
A mola propulsora para quase todas as manobras no skate é ollie que do ponto de vista mecânico nada mais é que um agachamento com abertura rápida e potente do quadril. Sempre que pensamos em performance no skate pensamos nesta abertura rápida de quadril que determina o "pop" da manobra, logo olhamos o quadril e o joelho que são articulações maiores e geram mais potência ao movimento. Mas uma das articulações mais negligenciadas, embora certamente a articulação mais importante e que ajuda significativamente o seu agachamento além de reduzir os riscos de lesões, são as dos tornozelos.
Para entender melhor por que a mobilidade do tornozelo é tão importante em um ollie, devemos aprender mais sobre o movimento da dorsiflexão e como se relaciona com o tornozelo. O tornozelo, propriamente dito, é uma articulação em dobradiça, e só é capaz de se mover em um único plano, em dois movimentos, flexão plantar e dorsiflexão. A Flexão plantar ou extensão do tornozelo é o movimento de apontar dos dedos para baixo (como uma bailarina faz ao ficar na ponta dos pés), e tal dorsiflexão é o oposto, ou seja, quando você levanta a parte dos dedos do pé com o calcanhar em contato com o chão, como se estivesse puxando seu pé para cima em direção ao seu joelho. Agora, a razão pela qual a dorsiflexão é considerada a mais importante dos graus de liberdade do tornozelo é porque permite que a tíbia (a canela) se mova para a frente, em relação à posição do pé. Este aspecto é crucial para o posicionamento correto do corpo e a produção eficiente de aplicação de força.
A diminuição da dorsiflexão está relacionada a vários motivos entre os quais a flexibilidade reduzida da cadeia posterior, de músculos como os gastrocnêmios e o sóleo (músculos da panturrilha), a restrição articular devido a uma cápsula articular justa ou tecido cicatricial e adesões decorrentes de lesões ou cirurgias anteriores, a postura inadequada, com o centro de gravidade deslocado anteriormente (faça uma avaliação postural com o seu fisioterapeuta), com o centro do corpo de massa para a frente, obriga o tornozelo a realizar flexão plantar em uma tentativa de equilibrar isso e diversas outras lesões na parte inferior do corpo, como dores em joelho, quadril ou até dor nas costas, podem instintivamente claudicar (mancar) ou modificar o seu movimento para evitar o desconforto. Isso pode limitar a sua amplitude de movimento.
Para saber-se a sua mobilidade de tornozelo está em dia é simples, basta executar um agachamento básico o mais profundo possível (passando os 90 graus). Um sinal revelador de déficit na mobilidade é se os calcanhares rotineiramente se descolarem do chão. Outra forma de avaliar facilmente é permanecer em linha reta com os pés juntos e tentar levantar a parte da frente dos seus pés para cima sem deixar o corpo se mover para trás.
Se o seu movimento está muito limitado é hora de procurar um fisioterapeuta para ajudar na normalização do seu padrão de movimento. Em casos mais simples a auto liberação miofascial pode solucionar o problema com a ajuda de rolinho, bolinha, band ou simplesmente um degrau já são suficientes para dar mais liberdade a articulação e assim diminuir o risco de lesões.
Lembre-se: ande de skate, evolua e divirta-se.

sábado, 11 de março de 2017

Lesões no quadril do skatista

O quadril é um dos principais pontos de performance do skatista. Sua abertura rápida somada a força do CORE são responsáveis pela altura das manobras e pela estabilidade do skatista sobre o skate. Desta forma é muito comum a queixa de skatistas sobre dores e lesões nesta parte do corpo.
Uma das razões para dores no quadril é a lesão em uma estrutura chamada lábio (ou labrum) do acetábulo. Essa patologia leva a queixas principalmente na região da virilha e músculos adutores, e muitas vezes limita o skatista em suas atividades. É uma estrutura cartilaginosa que funciona como uma capa para o quadril. 
Ele é responsável por promover um melhor encaixe entre os ossos que compõe essa articulação (cabeça do fêmur e acetábulo) e é fundamental para o seu movimento saudável. Sem o lábio, ou quando ele está muito danificado, o estresse entre os ossos do quadril aumenta.

A longo prazo esse estresse pode provocar um desgaste mais grave na articulação. A lesão no lábio do acetábulo ocorre por duas razões principais: o próprio formato do quadril e a instabilidade da articulação gerada na maioria das vezes pela falta de força nos músculos da região. No primeiro caso, o quadril apresenta variações anatômicas que predispõe o impacto entre os ossos e o lábio, o que vai gerando a lesão. No caso de instabilidade, os ligamentos e músculos do quadril não conseguem manter a articulação estável, ou seja, ele não tem a biomecânica adequada durante os movimentos, o que também leva a impacto e lesão no lábio.
Essas duas situações podem ocorrer simultaneamente, o que é muito comum na maioria dos casos. O tratamento para essa lesão começa com um diagnóstico médico, onde será decidido se há necessidade de uma cirurgia para reparar o lábio lesionado. Em casos não cirúrgicos e após a cirurgia quando ela foi necessária, o tratamento de fisioterapia é muito importante para melhorar o movimento do quadril, estabilizar a articulação, diminuir o stress na região e permitir o retorno ao skate com segurança.
Essa é uma lesão que as vezes demora muito tempo para ser notada pelo skatista e que muitas vezes não dá a devida importância para este problema já que alguns dias de repouso aliviam a dor, porém não resolvem o problema que vai piorando gradativamente.
Procure sempre ajuda médica sempre que este incomodo começa retrate este problema para evitar maiores complicações e aproveite todos os benefícios que o skate pode te proporcionar.
Ande de skate, evolua e divirta-se.

sábado, 4 de março de 2017

A importancia dos exercicios pliométricos no skate

O skate é uma atividade física complexa, que tem um auto grau de exigência física e motora dos seus praticantes. Por este motivo cada vez a mais a preparação física vem se tornando primordial para os skatistas que buscam uma melhor performance e principalmente evitar lesões.
Uma das principais valências físicas que são fundamentais na prática do skate é a potência. Ela é a principal responsável pelo "pop" do skate e consequentemente pela altura das manobras e dos obstáculos a serem encarados e os exercícios pliométricos são os mais indicados para melhorar potência.
Exercícios pliométricos são conhecidos como "saltos" de qualquer natureza. Saltos no lugar, pular corda, polichinelos, saltos em caixas ou até mesmo saltos com sobrecarga. Mas não é só isso, pois lançamentos, corridas e aterrissagens também são. Isso porque exigem dos músculos impulso, velocidade e força, tanto na fase concêntrica quanto excêntrica para produzir potência. Quando falamos em movimento não podemos pensar numa única direção ou plano. Os movimentos naturais são multidirecionais e planares, como nosso simples caminhar.

Neste aspecto a pliometria contribui de várias formas como o aumento da força rápida ou explosiva (também conhecida como potência), aumenta velocidade de reação muscular, aumenta a reatividade do SNC (sistema nervoso central), melhora a absorção de impactos, aumenta densidade óssea, estimula o fortalecimento muscular ,serve de base para diversas modalidades esportivas, previne osteoporose e previne a osteopenia.
Assim como outros métodos de treinamento, o corpo vai precisar de estímulos e recuperação adequados para que uma nova sessão de exercícios possa acontecer.
Há risco de lesões se não forem observadas características e individualidades que possam prejudicar o desempenho, por isso o treino de pliometria deve ser inserido no seu programa de treino por um profissional capacitado e pode depender de adaptações e progressões para que você possa usufruir dos benefícios que este tipo de treinamento pode proporcionar a quem anda de skate.
Lembre-se: ande de skate, evolua e divirta-se.

sábado, 18 de fevereiro de 2017

A importancia do P.R.I.C.E no skate

As lesões em skatistas na grande maioria das vezes são repentinas, geralmente uma queda após uma manobra dar errado, entorses caindo errado sobre o skate ou até uma simples "pedrinha" no caminho podem trazer dores de cabeça e afastar o skatista por um longo período. Existem alguns protocolos simples de primeiro atendimento que podem evitar danos maiores e ajudar muito na recuperação do skatista, o principal deles é o P.R.I.C.E.
O protocolo P.R.I.C.E ( protection, rest, ice, compression and elevation), tem como objetivo recuperar o mais rápido possível uma lesão, minimizando a formação de edemas e aliviando a dor. Esse método é muito simples e consiste basicamente em cinco passos, que qualquer skatista tem condições de seguir e auxiliar o amigo lesionado. Esses passos são a proteção onde o indivíduo deve proteger a área afetada para evitar um dano ainda maior. O repouso é importante para que não haja esforço e sobrecarga sobre a lesão e não atrapalhe a recuperação, alem também de não expor o membro afetado a lesões secundárias. O gelo com o objetivo de evitar a progressão do edema, diminuir a dor local e os espasmos musculares. A aplicação do gelo deve ser feita de 15 a 20 minutos, com intervalos de 2 horas. O gelo deve estar envolvido envolvido em um pano ou plástico. Caso seja aplicado diretamente sobre a pele pode causar queimaduras devido a baixa temperatura. A compressão é muito útil pois auxilia na drenagem do edema. Quando uma região é comprimida, os espaços disponíveis para o edema são reduzidos e, consequentemente, o inchaço também. Essa compressão pode ser feita por meio de bandagens, é necessário certificar-se de que não esteja muito apertado, caso esteja, devemos remover a bandagem e recolocar novamente, porem um pouco mais frouxa. Por último e não menos importante temos a elevação, elevar o membro ajuda no retorno venoso, com consequente diminuição do edema. Essa drenagem ocorre de maneira mais eficaz caso o segmento em questão esteja acima do nível do coração.
É recomendado que o método P.R.I.C.E seja utilizado logo após a lesão, quanto mais cedo for feito a aplicação dos procedimentos melhores serão os resultados e consequentemente o retorno mais rápido ao skate.
 Lembre-se: ande de skate, evolua e divirta-se.

sábado, 11 de fevereiro de 2017

Contraste no skate

Uma das situações mais comuns no skate são os entorses no tornozelo e lesões nos punhos e nas mãos. Uma técnica de terapia simples que pode ser feita em casa trás um resultado muito bom para este tipo de problema, trata-se do contraste.
O Banho de contraste é uma técnica fisioterápica que promove alternância entre dilatação e constrição dos vasos sanguíneos por meio do uso intercalado de modalidades de calor e frio, respectivamente. É indicado para lesões articulares, em que há formação evidente do edema. Por realizar uma espécie de drenagem do edema, esta técnica é usada nas lesões das articulações distais do corpo, como tornozelo e punho
São usados dois recipientes dentro dos quais os locais atingidos devem caber por inteiro; em um deles coloca-se água quente, porém não insuportavelmente quente, e no outro, água gelada. A terapia deve começar mergulhando-se o local atingido em água quente, por um tempo de 3 ou 5 minutos (5 para casos mais graves). Em seguida e sem descanso, passa-se para a água gelada, por 1 ou 3 minutos (3 para casos graves ). Em cada sessão, essa técnica pode ser alternada 3 vezes, sendo que o tempo total da aplicação da técnica do banho de contraste é de 20 a 30minutos (20 para área menor/ edemas menores e 30 para áreas maiores/ edemas maiores). A sessão pode ser encerrada com o aquecimento ou com resfriamento. Essa terapia pode ser realizada até 4 vezes ao dia.
Se a técnica do banho de contraste for realizada associada a alguma outra técnica de redução de edema é recomendado finalizar a sequência da aplicação com o aquecimento, por facilitar o retorno ao padrão fisiológico. Mas se banho de contraste for a única técnica, ou a última técnica de um procedimento terapêutico a ser utilizada é indicado finalizar com o resfriamento.
Este é só o primeiro passo para uma boa recuperação, a parte de ganho de ADM, força e propriocepção além de outras técnicas de eletroterapia devem ser feitas com o acompanhamento de um fisioterapeuta que vai utilizar, parâmetros, exercícios e aparelhos compatíveis com sua necessidade. Andar de skate não é fácil, portanto cuide bem do seu corpo para sempre estar presente nas sessões.
Lembre-se: ande de skate, evolua e divirta-se.

sábado, 4 de fevereiro de 2017

Quadril de skatista

Há muito tempo venho falando sobre a importância do quadril para se andar de skate, principalmente na "abertura" do quadril que é uma forma de gerar potência e consequentemente aumentar o pop das manobras.
Hoje falaremos sobre os principais problemas que o skatista pode ter no quadril, o que certamente vai limitar bastante seus movimentos e o desempenho na sessão vai diminuir. O quadril é uma articulação localizada mais profundamente no corpo em relação às outras articulações dos membros inferiores. Por essa razão, muitas vezes ela é vista como complexa e menos intuitiva para o skatista. Não é como no joelho, por exemplo, em que basta dizer “dói na parte da frente” e está tudo explicado. Lesões relacionadas ao quadril podem gerar dor na lateral da coxa, na virilha, na frente da perna e em vários outros lugares, tornando difícil para um leigo explicar exatamente a estrutura que dói. 
Incomodo na virilha pode representar algo anormal na junta do quadril especificamente, onde o fêmur se liga à pelve resultado de desgaste na articulação, como a osteoartrose, ou lesões em estruturas ali localizadas, como o labrum acetabular (uma espécie de capa do quadril).
Problemas na articulação sacroilíaca, que fica no final da coluna, podem também gerar uma dor reflexa na parte anterior da virilha. 
Na região frontal do quadril passam dois músculos importantes: o ílio psoas e o reto femoral. Dores nessa parte da perna normalmente representam tendinites nos tendões de algum desses músculos. Já na parte lateral do quadril é o local de maior incidência de lesões skatistas. As mais frequentes são tendinite do glúteo médio e bursite. 
Algumas vezes o incomodo parece estar acima do quadril, quase já no tronco. Caso seja na parte de trás da pelve, é provável que seja uma inflamação no ventre muscular do glúteo médio. Já se a dor for na região lateral, pode ser algo relacionado aos músculos abdominais ou origem da banda iliotibial.
Em caso de dor sempre procure um médico e realize os exames de imagem para confirmar o diagnóstico. Siga o tratamento corretamente e volte a desfrutar de todos os benefícios que o skate proporciona.
 Lembre-se: ande de skate, evolua e divirta-se.