sábado, 18 de março de 2017

Importancia da mobilidade de tornozelo no skate

O tornozelo é o principal ponto de lesão no skate, principalmente no street, seja por trauma direto do skate sobre a articulação até entorses mais graves. Um dos fatores determinantes para este alto índice de lesões está na falta de mobilidade desta articulação muito requisitada no skate.
A mola propulsora para quase todas as manobras no skate é ollie que do ponto de vista mecânico nada mais é que um agachamento com abertura rápida e potente do quadril. Sempre que pensamos em performance no skate pensamos nesta abertura rápida de quadril que determina o "pop" da manobra, logo olhamos o quadril e o joelho que são articulações maiores e geram mais potência ao movimento. Mas uma das articulações mais negligenciadas, embora certamente a articulação mais importante e que ajuda significativamente o seu agachamento além de reduzir os riscos de lesões, são as dos tornozelos.
Para entender melhor por que a mobilidade do tornozelo é tão importante em um ollie, devemos aprender mais sobre o movimento da dorsiflexão e como se relaciona com o tornozelo. O tornozelo, propriamente dito, é uma articulação em dobradiça, e só é capaz de se mover em um único plano, em dois movimentos, flexão plantar e dorsiflexão. A Flexão plantar ou extensão do tornozelo é o movimento de apontar dos dedos para baixo (como uma bailarina faz ao ficar na ponta dos pés), e tal dorsiflexão é o oposto, ou seja, quando você levanta a parte dos dedos do pé com o calcanhar em contato com o chão, como se estivesse puxando seu pé para cima em direção ao seu joelho. Agora, a razão pela qual a dorsiflexão é considerada a mais importante dos graus de liberdade do tornozelo é porque permite que a tíbia (a canela) se mova para a frente, em relação à posição do pé. Este aspecto é crucial para o posicionamento correto do corpo e a produção eficiente de aplicação de força.
A diminuição da dorsiflexão está relacionada a vários motivos entre os quais a flexibilidade reduzida da cadeia posterior, de músculos como os gastrocnêmios e o sóleo (músculos da panturrilha), a restrição articular devido a uma cápsula articular justa ou tecido cicatricial e adesões decorrentes de lesões ou cirurgias anteriores, a postura inadequada, com o centro de gravidade deslocado anteriormente (faça uma avaliação postural com o seu fisioterapeuta), com o centro do corpo de massa para a frente, obriga o tornozelo a realizar flexão plantar em uma tentativa de equilibrar isso e diversas outras lesões na parte inferior do corpo, como dores em joelho, quadril ou até dor nas costas, podem instintivamente claudicar (mancar) ou modificar o seu movimento para evitar o desconforto. Isso pode limitar a sua amplitude de movimento.
Para saber-se a sua mobilidade de tornozelo está em dia é simples, basta executar um agachamento básico o mais profundo possível (passando os 90 graus). Um sinal revelador de déficit na mobilidade é se os calcanhares rotineiramente se descolarem do chão. Outra forma de avaliar facilmente é permanecer em linha reta com os pés juntos e tentar levantar a parte da frente dos seus pés para cima sem deixar o corpo se mover para trás.
Se o seu movimento está muito limitado é hora de procurar um fisioterapeuta para ajudar na normalização do seu padrão de movimento. Em casos mais simples a auto liberação miofascial pode solucionar o problema com a ajuda de rolinho, bolinha, band ou simplesmente um degrau já são suficientes para dar mais liberdade a articulação e assim diminuir o risco de lesões.
Lembre-se: ande de skate, evolua e divirta-se.

sábado, 11 de março de 2017

Lesões no quadril do skatista

O quadril é um dos principais pontos de performance do skatista. Sua abertura rápida somada a força do CORE são responsáveis pela altura das manobras e pela estabilidade do skatista sobre o skate. Desta forma é muito comum a queixa de skatistas sobre dores e lesões nesta parte do corpo.
Uma das razões para dores no quadril é a lesão em uma estrutura chamada lábio (ou labrum) do acetábulo. Essa patologia leva a queixas principalmente na região da virilha e músculos adutores, e muitas vezes limita o skatista em suas atividades. É uma estrutura cartilaginosa que funciona como uma capa para o quadril. 
Ele é responsável por promover um melhor encaixe entre os ossos que compõe essa articulação (cabeça do fêmur e acetábulo) e é fundamental para o seu movimento saudável. Sem o lábio, ou quando ele está muito danificado, o estresse entre os ossos do quadril aumenta.

A longo prazo esse estresse pode provocar um desgaste mais grave na articulação. A lesão no lábio do acetábulo ocorre por duas razões principais: o próprio formato do quadril e a instabilidade da articulação gerada na maioria das vezes pela falta de força nos músculos da região. No primeiro caso, o quadril apresenta variações anatômicas que predispõe o impacto entre os ossos e o lábio, o que vai gerando a lesão. No caso de instabilidade, os ligamentos e músculos do quadril não conseguem manter a articulação estável, ou seja, ele não tem a biomecânica adequada durante os movimentos, o que também leva a impacto e lesão no lábio.
Essas duas situações podem ocorrer simultaneamente, o que é muito comum na maioria dos casos. O tratamento para essa lesão começa com um diagnóstico médico, onde será decidido se há necessidade de uma cirurgia para reparar o lábio lesionado. Em casos não cirúrgicos e após a cirurgia quando ela foi necessária, o tratamento de fisioterapia é muito importante para melhorar o movimento do quadril, estabilizar a articulação, diminuir o stress na região e permitir o retorno ao skate com segurança.
Essa é uma lesão que as vezes demora muito tempo para ser notada pelo skatista e que muitas vezes não dá a devida importância para este problema já que alguns dias de repouso aliviam a dor, porém não resolvem o problema que vai piorando gradativamente.
Procure sempre ajuda médica sempre que este incomodo começa retrate este problema para evitar maiores complicações e aproveite todos os benefícios que o skate pode te proporcionar.
Ande de skate, evolua e divirta-se.

sábado, 4 de março de 2017

A importancia dos exercicios pliométricos no skate

O skate é uma atividade física complexa, que tem um auto grau de exigência física e motora dos seus praticantes. Por este motivo cada vez a mais a preparação física vem se tornando primordial para os skatistas que buscam uma melhor performance e principalmente evitar lesões.
Uma das principais valências físicas que são fundamentais na prática do skate é a potência. Ela é a principal responsável pelo "pop" do skate e consequentemente pela altura das manobras e dos obstáculos a serem encarados e os exercícios pliométricos são os mais indicados para melhorar potência.
Exercícios pliométricos são conhecidos como "saltos" de qualquer natureza. Saltos no lugar, pular corda, polichinelos, saltos em caixas ou até mesmo saltos com sobrecarga. Mas não é só isso, pois lançamentos, corridas e aterrissagens também são. Isso porque exigem dos músculos impulso, velocidade e força, tanto na fase concêntrica quanto excêntrica para produzir potência. Quando falamos em movimento não podemos pensar numa única direção ou plano. Os movimentos naturais são multidirecionais e planares, como nosso simples caminhar.

Neste aspecto a pliometria contribui de várias formas como o aumento da força rápida ou explosiva (também conhecida como potência), aumenta velocidade de reação muscular, aumenta a reatividade do SNC (sistema nervoso central), melhora a absorção de impactos, aumenta densidade óssea, estimula o fortalecimento muscular ,serve de base para diversas modalidades esportivas, previne osteoporose e previne a osteopenia.
Assim como outros métodos de treinamento, o corpo vai precisar de estímulos e recuperação adequados para que uma nova sessão de exercícios possa acontecer.
Há risco de lesões se não forem observadas características e individualidades que possam prejudicar o desempenho, por isso o treino de pliometria deve ser inserido no seu programa de treino por um profissional capacitado e pode depender de adaptações e progressões para que você possa usufruir dos benefícios que este tipo de treinamento pode proporcionar a quem anda de skate.
Lembre-se: ande de skate, evolua e divirta-se.

sábado, 18 de fevereiro de 2017

A importancia do P.R.I.C.E no skate

As lesões em skatistas na grande maioria das vezes são repentinas, geralmente uma queda após uma manobra dar errado, entorses caindo errado sobre o skate ou até uma simples "pedrinha" no caminho podem trazer dores de cabeça e afastar o skatista por um longo período. Existem alguns protocolos simples de primeiro atendimento que podem evitar danos maiores e ajudar muito na recuperação do skatista, o principal deles é o P.R.I.C.E.
O protocolo P.R.I.C.E ( protection, rest, ice, compression and elevation), tem como objetivo recuperar o mais rápido possível uma lesão, minimizando a formação de edemas e aliviando a dor. Esse método é muito simples e consiste basicamente em cinco passos, que qualquer skatista tem condições de seguir e auxiliar o amigo lesionado. Esses passos são a proteção onde o indivíduo deve proteger a área afetada para evitar um dano ainda maior. O repouso é importante para que não haja esforço e sobrecarga sobre a lesão e não atrapalhe a recuperação, alem também de não expor o membro afetado a lesões secundárias. O gelo com o objetivo de evitar a progressão do edema, diminuir a dor local e os espasmos musculares. A aplicação do gelo deve ser feita de 15 a 20 minutos, com intervalos de 2 horas. O gelo deve estar envolvido envolvido em um pano ou plástico. Caso seja aplicado diretamente sobre a pele pode causar queimaduras devido a baixa temperatura. A compressão é muito útil pois auxilia na drenagem do edema. Quando uma região é comprimida, os espaços disponíveis para o edema são reduzidos e, consequentemente, o inchaço também. Essa compressão pode ser feita por meio de bandagens, é necessário certificar-se de que não esteja muito apertado, caso esteja, devemos remover a bandagem e recolocar novamente, porem um pouco mais frouxa. Por último e não menos importante temos a elevação, elevar o membro ajuda no retorno venoso, com consequente diminuição do edema. Essa drenagem ocorre de maneira mais eficaz caso o segmento em questão esteja acima do nível do coração.
É recomendado que o método P.R.I.C.E seja utilizado logo após a lesão, quanto mais cedo for feito a aplicação dos procedimentos melhores serão os resultados e consequentemente o retorno mais rápido ao skate.
 Lembre-se: ande de skate, evolua e divirta-se.

sábado, 11 de fevereiro de 2017

Contraste no skate

Uma das situações mais comuns no skate são os entorses no tornozelo e lesões nos punhos e nas mãos. Uma técnica de terapia simples que pode ser feita em casa trás um resultado muito bom para este tipo de problema, trata-se do contraste.
O Banho de contraste é uma técnica fisioterápica que promove alternância entre dilatação e constrição dos vasos sanguíneos por meio do uso intercalado de modalidades de calor e frio, respectivamente. É indicado para lesões articulares, em que há formação evidente do edema. Por realizar uma espécie de drenagem do edema, esta técnica é usada nas lesões das articulações distais do corpo, como tornozelo e punho
São usados dois recipientes dentro dos quais os locais atingidos devem caber por inteiro; em um deles coloca-se água quente, porém não insuportavelmente quente, e no outro, água gelada. A terapia deve começar mergulhando-se o local atingido em água quente, por um tempo de 3 ou 5 minutos (5 para casos mais graves). Em seguida e sem descanso, passa-se para a água gelada, por 1 ou 3 minutos (3 para casos graves ). Em cada sessão, essa técnica pode ser alternada 3 vezes, sendo que o tempo total da aplicação da técnica do banho de contraste é de 20 a 30minutos (20 para área menor/ edemas menores e 30 para áreas maiores/ edemas maiores). A sessão pode ser encerrada com o aquecimento ou com resfriamento. Essa terapia pode ser realizada até 4 vezes ao dia.
Se a técnica do banho de contraste for realizada associada a alguma outra técnica de redução de edema é recomendado finalizar a sequência da aplicação com o aquecimento, por facilitar o retorno ao padrão fisiológico. Mas se banho de contraste for a única técnica, ou a última técnica de um procedimento terapêutico a ser utilizada é indicado finalizar com o resfriamento.
Este é só o primeiro passo para uma boa recuperação, a parte de ganho de ADM, força e propriocepção além de outras técnicas de eletroterapia devem ser feitas com o acompanhamento de um fisioterapeuta que vai utilizar, parâmetros, exercícios e aparelhos compatíveis com sua necessidade. Andar de skate não é fácil, portanto cuide bem do seu corpo para sempre estar presente nas sessões.
Lembre-se: ande de skate, evolua e divirta-se.