sábado, 16 de fevereiro de 2019

Sacroileite e o skate

Uma das causas comuns de dores nas costas e quadril dos skatistas é a sacroileite. Essa dor pode ser decorrente da disfunção da articulação sacroilíaca (SI), que é a articulação entre seu sacro e ílio. A dor ocorre quando a articulação se torna rígida ou solta.
A dor relacionada à articulação SI pode ser semelhante à dor lombar, muitas vezes irradiando para as nádegas ou para o posterior da coxa. O tipo de dor pode ser aguda, pontiaguda ou opaca, e geralmente localizada em um lado da pélvis / região lombar, virilha ou cóccix, com ou sem sintomas de irradiação para a perna.
A disfunção da articulação SI pode causar dor durante atividades diárias como, curvar-se para frente, pegar algo do chão, ficar muito tempo em pé, levantar-se de uma posição sentada, virar na cama e atividades unipodais (peso do corpo de um lado só).
Problemas com a articulação sacroilíaca podem levar o seu corpo a supercompensar ou mover-se de forma não natural. Causas da dor podem ser de artrite lombar secundária à fusão das vértebras, cair de um lado do corpo, hipermobilidade do quadril, overtraining e desequilíbrios musculares.
Embora a dor relacionada à disfunção do SI pareça inevitável, há uma série de opções de tratamento que podem trazer alívio. A primeira coisa a tentar é descansar, e procurar um médico do esporte para encontrar a raiz da sua dor, especialmente se está limitando suas sessões ou diminuindo a performance. Obter uma avaliação da sua lesão pode levar a opções que podem incluir medicação, testes diagnósticos adicionais e fisioterapia.
Cuidar do seu corpo é cuidar de você e aumentar sua vida útil sobre o skate.
Lembre-se: ande de skate, evolua e divirta-se.

sábado, 9 de fevereiro de 2019

As lesões meniscais no skate

O joelho é uma área de grande preocupação para todos os skatistas, é o segundo local do corpo onde mais acontecem lesões e por isso todo o cuidado é pouco, hoje falaremos sobre uma das lesões mais comuns, a dos meniscos.
Os meniscos são estruturas em formato de “C” essenciais para a biomecânica do joelho, agindo como lubrificadores, estabilizadores, amortecedores e distribuidores de carga dentro da articulação. Possuímos dois meniscos: um interno, maior e menos móvel, denominado medial e um externo, menor e mais móvel, denominado menisco externo.
As lesões meniscais classificam-se em dois grupos: as traumáticas agudas, típicas de skatistas jovens, onde entorse do joelho é o grande vilão e as degenerativas, mais comuns após os 40 anos de idade, sendo o micro-trauma de repetição de cargas cíclicas de esportes, como o skate, o mecanismo básico causador da lesão.
As lesões meniscais causam sintomas característicos como dor bem localizada com períodos de alívio e agravo a determinados movimentos como agachar e cruzar as pernas, inchaço, e bloqueio (travamento). Quando associado à inflamação da membrana que envolve o joelho, pode haver aumento do volume do líquido sinovial ocasionando o que chamamos de derrame articular (popular água no joelho).
Em alguns raros casos, a dor melhora espontaneamente. Infelizmente, os sintomas obrigam a parar de andar de skate e limitam algumas atividades do dia a dia como agachar, dirigir e caminhar. Acredita-se, hoje, que isso se deva não só à lesão meniscal em si, mas pela sobrecarga do osso logo abaixo do menisco (osso subcondral), fenômeno denominado de edema ósseo. Até a última década, o tratamento da lesão meniscal degenerativa envolvia apenas o acompanhamento clínico e a utilização de recursos analgésicos da fisioterapia. A grande maioria dos ortopedistas orientava que o paciente abandonasse o skate e, se mesmo assim se mantivesse sintomático, era indicada a meniscectomia (retirada de parte do menisco).
Apesar de ter a indicação formal e, de trazer alívio de sintomas para uma população pouco ativa, este procedimento em skatistas com idade superior a 45 anos de idade está estatisticamente ligado ao agravo do edema ósseo, causando agravo da dor. Por isso, atualmente este procedimento é considerado por muitos ortopedistas como o último recurso.
Quando há queda do rendimento e a dor está ligada à perda de massa muscular, pode-se optar pela viscossuplementação que é um método de tratamento relativamente novo e consiste nas injeções intra-articulares de ácido hialurônico que é o mesmo componente que já existe no líquido sinovial de uma articulação saudável. Autores defendem seu uso em lesões meniscais degenerativas, já que durante o processo de envelhecimento da articulação o líquido sinovial perde sua capacidade funcional, devido à idade e ao processo de artrose. Portanto, o uso do dessas injeções de ácido hialurônico exógeno desaceleraria a degeneração. O alívio dos sintomas facilitaria no ganho de massa muscular e retorno ao skate.
O aprimoramento das técnicas de vídeo-artroscopia e o melhor conhecimento das lesões degenerativas levaram a uma técnica relativamente nova chamada reinserção meniscal. Sua criação baseia-se no princípio de que um menisco degenerado está quase sempre extruso (fora de seu local de origem). A técnica visa, portanto, fixar a raiz do menisco (região mais periférica), puxando sua raiz contra a tíbia no mesmo lugar onde estava antes de sua lesão. Agora uma nova técnica vem apresentando bons resultados, a subcondroplastia, desenvolvida visando o preenchimento da área de edema ósseo abaixo da lesão meniscal. Apesar da técnica ter sido criada para o tratamento de lesões cartilaginosas, os excelentes resultados preliminares encorajaram alguns autores a aplicar em lesões meniscais degenerativas, visando melhoria do aporte ósseo e consequente alívio de sintomas.
A medicina esportiva vem evoluindo muito nos últimos anos e se aproximando cada vez mais dos skatistas, assim como a preparação física e a reabilitação, privando os novos skatistas de antigos problemas e mantendo os skatistas “das antigas” firmes e fortes sobre o carrinho.
Lembre-se: ande de skate, evolua e divirta-se.

sábado, 2 de fevereiro de 2019

A volta de Paul Rodrigues

No final do ano passado fiz algumas postagens contando sobre a lesão que o Paul Rodrigues sofreu, sua cirurgia e o inicio do trabalho de reabilitação.
Recentemente ele postou o último vídeo deste momento difícil em sua carreira, mostrando o fim do tratamento e sua volta ao skate.

E para mostrar que está cem por cento recuperado, ele já filmou um day in the life, mostrando todo o seu corre como skatista profissional e empresário a frente da Primitive.
Lembre-se: ande de skate, evolua e divirta-se.

sábado, 26 de janeiro de 2019

O pós sessão de skate

Para recuperar o corpo pós-sessão, não há comprovação se alguns métodos são realmente necessários e eficientes. Ainda assim, é essencial prezar pelo básico, hidratar-se, alimentar-se corretamente e, claro, descansar.
Por conta do esforço gerado no skate, o corpo passa por um processo de inflamação que pode incluir microlesões musculares e o rompimentos de fibras que causam dores e cansaço.
Também existe o risco de haver pontos de tensão, espécie de ‘nós’ na musculatura, os quais chamamos de pontos gatilhos. Eles dificultam a oxigenação e a contração adequadas, favorecendo as lesões.
Embora a recuperação exija atenção para se evitar problemas futuros, o processo natural de sobrecarga muscular e de posterior recuperação é extremamente benéfico, pois permite que a musculatura se adapte, melhorando o desempenho físico.
De 24 horas a cinco dias, dependendo do grau do esforço, pode não haver mais resquícios de fadiga, sem que você faça qualquer coisa. Para tentar recuperar o corpo pós-treino em até dois dias e acelerar o alívio dos desconfortos musculares, muitos skatistas costumam utilizar técnicas como massagens e gelo na musculatura das pernas.
Além deles a liberação miofascial, eletroterapia, alongamentos, também são práticas comuns entre os skatistas.
Cuidar do seu corpo é cuidar de você e aumentar sua vida útil sobre o skate.
Lembre-se: ande de skate, evolua e divirta-se.

sábado, 19 de janeiro de 2019

O joelho valgo no skate

Os joelhos sempre são uma grande preocupação para qualquer skatista, tendo em vista o quanto está articulação é importante no skate, mas muitas vezes as lesões ocorrem não por torção ou trauma direto, mas sim por uma descompensação muscular, que acaba sobrecarregando os joelhos.
Quando o peso do corpo está em cima do pé, um músculo chamado glúteo médio, que fica na lateral do quadril, é responsável por manter a coxa alinhada. Caso ele esteja fraco, ou não esteja trabalhando direito por algum motivo, o joelho cairá para dentro, permitindo assim que o valgo aconteça. Eles fazem um movimento em X, como se fossem encostar um no outro, e estão relacionados ao aparecimento de algumas lesões.
Esse desalinhamento está relacionado com dores no joelho e duas patologias muito comuns, a síndrome fêmoro-patelar, que acomete a região anterior da articulação, e a síndrome da banda iliotibial, problema que gera dor na lateral externa do joelho.
O tratamento para o valgo dinâmico e lesões associadas começa com fortalecimento muscular, caso seja detectado déficit real de força. Muitas vezes o músculo já está forte, porém não trabalha corretamente durante os movimentos do dia a dia e no skate. Nesse caso, exercícios educativos são mais indicados, nos quais o corpo seja desafiado a manter o alinhamento do joelho.
É importante ressaltar que, mesmo após o tratamento, é possível que visualmente os joelhos ainda “caiam” para dentro. Existe uma melhora, mas é comum algo ainda permanecer. Por isso, o principal parâmetro de melhora é a dor, nas atividades cotidianas e na prática do skate.
Cuidar do seu corpo é cuidar de você e prolongar sua vida útil sobre o skate.
Lembre-se: ande de skate, evolua e divirta-se.