quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016

Pise em sua zona de conforto

Nos últimos nove anos venho me dedicando a trabalhar única e exclusivamente com a reabilitação e preparação física específica para skatistas. Dentro desta jornada aprendi muito sobre a importância de um bom calçado para a prática do skate, principalmente no que se diz respeito à saúde dos pés e o amortecimento.
Usei diversas marcas e modelos de tênis, além de palmilhas específicas para o skate e de outros esportes de alto impacto para tentar solucionar problemas recorrentes de alguns pacientes.
Agora em 2016 se inicia uma nova era no que se diz respeito a amortecimento e saúde dos pés em calçados para skate. A ÖUS acaba de lançar a tecnologia Circular em suas palmilhas. A tecnologia Circular, usada na nova palmilha, beneficia a circulação de ar nos pés, auxiliando na redução do mau cheiro, além de evitar a proliferação de fungos e micoses.
A circulação do ar é auxiliada pelo próprio movimento dos pés, por conta de um sistema de canaletas e perfurações estrategicamente posicionados na parte inferior da palmilha. Seu formato anatômico permite suporte e encaixe adequado aos pés, o que a torna ideal para o uso esportivo e cotidiano. A palmilha Circular é feita em poliuretano e não deforma, mesmo sendo submetida a fortes impactos e/ou sendo utilizada por longos períodos.
Com duas densidades distintas atende a demanda de quem está na sessão de skate e também de quem está no corre do dia a dia. A Circular Soft possui a fórmula Soft que foi desenvolvida para uso diário. Mais macia e confortável, é indispensável para quem tem um cotidiano corrido e quer passar o dia sem dores nos pés. Palmilha presente em todos os modelos da linha Imperial e Ócio Esportivo.
Já a Circular Hard possui a fórmula Hard que foi desenvolvida especificamente para a prática do skate. Sua densidade superior proporciona a melhor absorção de impacto, sem perder o conforto e o board feel. Palmilha presente em todos os modelos da linha Essencial.
A três meses venho usando diariamente estas palmilhas e os resultados foram surpreendentes, tanto para circulação de ar que acaba mantendo os pés em uma temperatura agradável mesmo andando no sol, como para o formato anatômico da palmilha que dá uma maior estabilidade no arco plantar e principalmente para a absorção de impacto que aumentou muito com esta nova tecnologia.
Parabéns a ÖUS, empresa cem por cento brasileira por atingir um patamar tão alto de qualidade nos seus produtos deixando todas as marcas gringas para trás. Essas eu uso e recomendo.
Faça seu corre e pise agora mesmo na sua zona de conforto.

quinta-feira, 28 de janeiro de 2016

A importancia do Kettlebell Swing na melhora do pop

Como já falamos em alguns outros textos, a potência no quadril é fundamental para a melhora do desempenho no skate, tanto para aumentar o pop como para executar manobras com mais controle e perfeição. Hoje vamos falar sobre o Kettlebell Swing um exercício que contribui bastante para a melhora da potência no quadril.
O Swing (Balanço) é o exercício base para todos os exercícios do treinamento com Kettelbell. Ele consiste em uma flexão seguida por uma extensão de quadril rápida e forte. Esta extensão do quadril é essencial para o fortalecimento da região mais frágil do corpo, a coluna vertebral e o complexo quadril-pelve-lombar. A inércia que o Swing proporciona ativa os músculos dos glúteos, posteriores de coxa e eretores de coluna, ou seja, a cadeia cinética posterior, estabilizando o corpo.
No nosso cotidiano é muito comum não estimularmos esses grupos musculares, criamos um desequilíbrio nas musculaturas e como resultado surgem as lesões. O movimento consiste em deslocar uma massa (kettlebell) que aponta para baixo e se inicia entre as pernas e desloca-la através de um pendulo até a altura de seus ombros, sempre mantendo o deslocamento da massa em um arco imaginário com a sua parte mais pesada girando para fora, a mesma técnica de execução pode ser feita unilateralmente ou alternadamente, ambas necessitando de uma maior adaptação ao instrumento.
Este exercício também é muito importante para se compreender como funciona a mecânica da potência no quadril, ou capacidade de gerar força rápida fundamental para aumentar o pop. Para saber mais sobre nosso método de preparação física específico para skatistas entre em contato agora mesmo e agende uma avaliação gratuita.
Lembre-se: ande de skate, evolua e divirta-se

quinta-feira, 21 de janeiro de 2016

Formação de coágulos em skatistas

O skate é uma atividade que envolve riscos, não estou nem falando em manobras complexas ou obstáculos difíceis de se andar, uma simples pedrinha no meio do caminho pode trazer consequências desagradáveis.
O maior medo de todo o skatista quando cai está em machucar a cabeça. Bater a cabeça contra o solo sempre é preocupante, uma pelo TCE e outra pela formação de coágulos como vimos recentemente com um skatista amigo.
A coagulação do sangue é um processo no qual as plaquetas e os glóbulos vermelhos, junto da fibrina, um tipo de proteína, formam um amontoado para parar um sangramento após um vaso sanguíneo ter se rompido. A formação de crostas ocorre quando esse processo acontece na superfície da pele.
A coagulação interna, que acontece dentro do vaso sanguíneo, pode ser perigosa. Embora a maior parte dos coágulos seja dissolvida naturalmente pelo corpo, se houver algum que continue a se formar dentro de uma veia ou artéria, pode chegar ao ponto de bloquear o fluxo sanguíneo. Um coágulo de sangue no cérebro pode ser formado por uma lesão na cabeça, quando o sangue se acumula entre o crânio e o cérebro. Quando o sangue coagula, pressiona o cérebro. Esses são chamados de hematomas peridurais e subdurais e podem levar à morte.
Uma dor de cabeça forte pode ser um sinal de coágulo no cérebro. Confusão, pensamentos lentos, mudanças de personalidade, paralisia leve e convulsões também são sinais. Podem ocorrer episódios breves de paralisia extensa ou dificuldades para falar.
Os coágulos no cérebro podem ser confirmados por uma ressonância magnética ou tomografia computadorizada e o tratamento pode seguir diferentes condutas de acordo com a gravidade. Dá para perceber que bater a cabeça não é brincadeira, por isso sempre é importante procurar auxílio médico o quanto antes.
Lembre-se: ande de skate, evolua e divirta-se.

quinta-feira, 14 de janeiro de 2016

Deadlift e o skate

A preparação física no skate ainda é muito nova quando comparada a outros esportes, mas a cada dia vem ganhando mais espaço devido aos inúmeros benefícios que vem trazendo aos skatistas. Hoje vamos falar sobre um exercício de levantamento de peso olímpico que trás um grande resultado no skate, o deadlift. Deadlift ou “Levantamento Terra” é, falando em termos simples e diretos, o movimento de tirar um peso do chão e ficar em pé com ele. É um exercício multiarticular, de grande complexidade e que ativa inúmeros grupos musculares, do posterior de coxa até o trapézio.
Junto com os agachamentos e o supino, o Deadlift faz parte dos Levantamentos Básicos (Powerlifting). Ele se destaca por envolver ainda mais musculaturas que os outros movimentos básicos, logo, produz mais adaptações neutrais e mais geração de força. Com o Deadlift, você vai ganhar uma lombar forte, coxas fortes, costas fortes e antebraços fortes, ou seja, você ficará um ser humano mais capaz.
Não existe nenhum outro exercício que te permita levantar mais peso do que o Deadlift. Se isso não acontece com você, com certeza você possui algum desequilíbrio muscular ou, apenas, não faz o movimento da maneira correta ou com a frequência que deveria.
O processo de execução acontece da seguinte forma,em pé, de frente para a barra, com os pés verticalmente embaixo dela e pernas na largura do quadril. O quadril sempre tem que estar acima da linha do joelho e os ombros sempre acima da linha do quadril, desta forma, permitem uma posição da coluna mais estável e um engajamento maior das musculaturas corretas. Lembre-se de sempre "abraçar sua linha média”, mantendo o abdômen em contração o tempo inteiro, para estabilizar seu centro de massa e sua coluna ficar em uma posição mais segura. A apneia é uma ferramenta que pode auxiliar neste processo.
Segure a barra de preferência com a pegada invertida (uma mão em supinação, outra em pronação) porque ela, ao gerar duas forças contrárias, permite uma maior estabilidade e controle do peso durante toda a amplitude do movimento. Peso nos calcanhares o tempo inteiro, para enfatizar a principal cadeia muscular do movimento, a posterior. Então, com a força das pernas e das costas você estende os joelhos começando a ficar de pé. Quando a barra passar da linha da patela, é a hora de estender o quadril, ficando em extensão completa.
Assim como todo exercício, se você o fizer de forma incorreta, você vai correr riscos. Com o Levantamento Terra não é diferente. Há, basicamente, dois grandes erros, sendo o primeiro o famoso “perder a lombar” que acontece com muita frequência em pessoas apressados ou impacientes, que querem colocar muito peso de forma descontrolada. Se perdeu a lombar demais, o ideal é que solte a barra imediatamente.
Não confunda, não ache que, porque acordou no outro dia com a lombar dolorida depois do Deadlift, foi porque fez o movimento errado, geralmente muito pelo contrário. A musculatura principal é o quadrado lombar, então ele ficará dolorido no dia após o exercício da mesma forma que a coxa dói quando se agacha e o peito dói quando se fazem muitas flexões.
Outro ponto de lesão muito comum é o bíceps mas isso acontece geralmente em atletas que pegam muito peso em competições e acabam flexionando o braço.
Esse movimento básico e extremamente funcional trabalha boa parte da musculatura que o skate exige. Para saber mais sobre nosso método de preparação física específico para skatistas, entre em contato agora mesmo e agende uma avaliação gratuita.
Lembre-se: ande de skate, evolua e divirta-se.

quinta-feira, 7 de janeiro de 2016

A importancia da avaliação física no skate

Início de ano é hora de traçar metas e objetivos para este novo ciclo que se inicia e analisar o que foi no último ano e seus resultados. No skate isso não é diferente, skatistas e marcas começam a colocar em prática tudo aquilo que foi proposto para este ano. Na parte da preparação física dos skatistas e na prevenção de lesões é hora de avaliar como o corpo se encontra e o que precisa ser melhorado para esta nova temporada de muito skate.
Dentre alguns métodos que usamos para avaliar a condição física do skatista está o FMS. Há muito se utilizam avaliações físicas afim de mostrar resultados quantitativos tal como percentual de gordura, IMC, peso, altura, etc. Porém, são avaliações que funcionalmente não fornecem informação para que um Educador Físico monte um planejamento de treino diminuindo risco de lesão e, consequentemente, ajudando ao aumento das capacidades motoras.
É nesse contexto que o Functional Movement Screen nasceu, em meados dos anos 90, dois fisioterapeutas e strength and conditioning coachs Americanos, Gray Cook e Lee Burton começam a desenvolver uma ferramenta de avaliação de movimentos atleticos e fundamentais do ser humano, afim de corrigir desequilibrios musculares e assim, ajudar na diminuição de lesões para que seus alunos e atletas pudessem aproveitar de forma mais eficiente os treinos de força para atingir seus objetivos, sejam eles melhorar na performance atletica ou apenas para saúde.
O FMS é um sistema de ranking e pontuação que inclui 7 testes de avaliação dos padrões de movimento básico onde limitações e/ou assimetrias musculares são identificadas. A filosofia do FMS está enraizada no conceito de que, a fim de maximizar o desempenho do indivíduo, o corpo inteiro deve estar funcionando corretamente.
Quando o corpo é visto como uma corrente de elementos individuais, subentende-se que o elo mais fraco desta corrente pode enfraquece-la como um todo. Quanto o elo fraco é ignorado, consequentemente aumenta-se o potêncial de possíveis desiquilíbrios musculares e assimetrias, além de que o fortalecimento de elos inapropriados não irão melhorar a integridade da corrente.
O FMS oferece meios para identificar e melhorar quaisquer elos fracos que podem estar comprometendo o corpo e seu movimento saudável.
Basicamente, o FMS avalia 7 movimentos fundamentais e para cada movimento são utilizados notas de 0 a 3, onde 0 é para dor mesmo que o movimento seja perfeito; 1 é o movimento totalmente compensado; 2 é o movimento parcialmente compensado e 3 é o movimento perfeito.
Com base nesses scores, é traçado uma estratégia corretiva objetivando ganhar mobilidade e estabilidade, respectivamente. Como podemos ver, visa a qualidade do movimento sem compensações musculares, o que é muito importante para todos os skatistas.
Para saber mais sobre nosso método de preparação física para skatistas, entre em contato e agende uma avaliação gratuita.
Lembre-se: ande de skate, evolua e divirta-se.