domingo, 10 de novembro de 2019

Andar de skate no verão

O verão vem chegando e os riscos de andar de skate em ambiente quente e úmido costumam aumentar. Embora os casos fatais de doenças causadas pelo calor no esporte sejam extremos, uma forma mais branda, a exaustão pelo calor, caracterizada por náusea, vômito, desmaio e tontura, é muito comum em esportes durante o verão. As doenças causadas pelo calor podem avançar rapidamente e os primeiros sinais de insolação podem ser sutis. O diagnóstico precoce e o atendimento adequado podem salvar vidas.
A insolação geralmente é causada por uma combinação de ambiente quente, exercícios extenuantes como o skate, roupas que limitam a evaporação do suor, adaptação inadequada ao calor, excesso de gordura corporal e/ou falta de condicionamento físico.O estresse térmico acontece quando o corpo não é mais capaz de manter seu equilíbrio de temperatura e a temperatura central aumenta suficientemente para interferir com outros processos fisiológicos.
A produção de calor metabólico aumenta a temperatura do corpo e o ambiente térmico aumenta a temperatura da pele; as tensões combinadas são integradas para aumentar a taxa de suor. O controle da temperatura central depende da produção adequada de suor e da capacidade do ambiente de evaporar o suor. A natureza do estresse térmico do exercício é demonstrada pela análise racional das trocas físicas de calor entre o corpo e o ambiente.
A tolerância à desidratação é maior quando os indivíduos estão fisicamente em forma e jovens, enquanto a capacidade de se adaptar ao calor diminui com a idade, níveis reduzidos de condicionamento físico e presença de doença.
Durante condições de estresse térmico, o skatista está sujeito aos seguintes sintomas como as câimbras, exaustão, desmaios e insolação.
Manter se hidratado é a principal recomendação para as sessões, assim como se alimentar bem e escolher roupas leves para andar, e sempre que possível aproveitar os momentos de sombra para descansar.
Cuidar do seu corpo é cuidar de você, previna se para seguir andando neste verão.
Lembre-se: ande de skate, evolua e divirta-se.

domingo, 3 de novembro de 2019

Ombro de skatista

As quedas são comuns na vida de qualquer skatista. As lesões em membros superiores ocorrem geralmente na tentativa de proteger o corpo destas quedas, hoje falaremos sobre uma lesão muito comum no skate, a luxação do ombro.
O ombro é a articulação (ou conjunto destas) que unem o braço ao tronco. Apresenta a maior amplitude de movimentos de todas as articulações do corpo humano, sendo capaz de movimentar-se em variados planos, levando o braço, e a mão a imensas posições. Tendo tanta amplitude e possibilidade de movimentos torna-se uma das mais complexas redes de articulações, ligamentos e músculos do nosso corpo.
É constituida por 3 ossos principais: Clavícula, Escápula (omoplata) e Úmero.Estes 3 ossos estão ligados por ligamentos que permitem coordenar, restringir e orientar movimentos, unindo-os entre si. Os 3 principais ligamentos são o Acrômio-clavicular, que impede a luxação da clavicula; o Gleno-umerais que se dividem em superior, médio e inferior, impedindo a deslocação do ombro e o Esterno-clavicular, unindo a clavicula a zona do torax.
A nivel múscular a articulação do ombro é suportada por vários elementos músculares que trabalham em conjunto de forma a realizar os movimentos. Existem músculos circundantes, que não são tão especificos, mas que ajudam nos movimentos do ombro (Deltóide, Peitoral, Trapézio Grande dorsal e Grande redondo). A luxação do ombro ocorre quando a cabeça do úmero sai da sua posição correta, ou seja, da cavidade glenóide. Isto pode ocorrer por variados motivos, mas está directamente relacionada com uma hiperextensão ou mesmo ruptura de um dos ligamentos.
As luxações podem ser anteriores, posteriores, superiores ou inferiores, dependendo do ligamento lesionado ou do tipo de trauma que ocorreu. Sendo a mais comum a anterior, pois acontece quando o membro está em abdução e rotação externa, que é das posições mais comuns no dia-a-dia. Poderá haver a tendencia de a luxação do ombro, se tornar crónica, devido à laxidão dos ligamentos, fazendo com que o ombro de desloque ao minimo movimento. Nestes casos, a cirurgia é imperativa. Pode ocorrer também uma sub-luxação, isto é, o úmero sai da cavidade glenóide mas retorna ao local por si só.
Quando ocorre a luxação, é necessária a recolocação do ombro no sitio rápidamente, para evitar maiores lesões ligamentares. Depois disto, é importante a imobilização total desta articulação de forma a que a cicatrização de uma provável lesão no ligamento, seja feita na posição correta. Para isto, existem variados dispositivos que ajudam a manter o membro superior imobilizado.
A melhor forma de prevenção é o fortalecimento muscular, que pode ser feito de diferentes formas em diferentes tipos de treinamento.
Lembre-se: ande de skate, evolua e divirta-se.

domingo, 27 de outubro de 2019

Síndrome de Burnout e o skate

O skate é uma atividade altamente prazeirosa que trás muitos benefícios físicos e mentais para seus praticantes. Hoje o stress está presente na vida de todos nós e dos skatistas não é diferente, responsabilidades, cobranças dentro e fora do skate, a busca pela evolução contínua, alguns pais cobrando que seus filhos andem cada vez melhor de skate e a busca maluca por “likes” e “views” vem trazendo muita preocupação, hoje falaremos sobre uma síndrome que você provavelmente ainda não conhece, mas muito gente ao seu lado ou até você mesmo pode estar passando sem saber.
A síndrome de burnout é um distúrbio psíquico que atinge 33 milhões de brasileiros, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). Caracterizado por esgotamento, ansiedade e depressão, é uma reação ao estresse causado pelo trabalho, e tem preocupado pesquisadores inseridos no meio esportivo. Na vida profissional, é comum ter que lidar com cobranças de superiores, horas extras indesejadas, insatisfação e estresse. Essa realidade também é facilmente aplicada a jovens skatistas, que costumam ser expostos até o limite pelo desejo de profissionalização.
A síndrome de burnout pode aparecer em três formas: física (como a falta de apetite), psicológica (ansiedade e irritabilidade) e comportamental (dificuldade de concentração e isolamento). Os principais sintomas são a falta de apetite; cansaço; insônia; gastrite; úlceras, ansiedade; irritabilidade; depressão; frustração, falta de flexibilidade para lidar com dificuldades do cotidiano; hostilidade; dificuldade de concentração; aumento de conflitos; falta de vontade de ir ao trabalho; vontade de fazer longas pausas de descanso; apatia, isolamento; exaustão emocional. no contexto do skate, o burnout apresenta ainda sobrecarga em relação as sessões, falta de progresso no desempenho e desmotivação para andar.
Especialistas defendem que os jovens atletas, especialmente as crianças, devem evitar o aprofundamento prematuro e buscar a formação multilateral, com a prática de diversas modalidades esportivas.

No caso de a síndrome já está em estágio avançado, você vai precisar de ajuda profissional. A psicoterapia é sempre a mais indicada. O psicólogo ou psicoterapeuta pode ajudar a encontrar estratégias para aliviar o estresse, a ansiedade e a depressão, que incluirão mudanças de hábitos do dia a dia. Em casos mais graves, pode também indicar um psiquiatra, para tratamento com medicação, através de antidepressivos ou ansiolíticos. Skate é diversão por isso aproveite tudo de bom que o skate pode te proporcionar. O skate tem que ser a ferramenta que te tira desse ciclo e não o causador do problema, inverta a chave e ande de skate para se divertir com seus amigos.
Lembre-se: ande de skate, evolua e divirta-se.

sábado, 12 de outubro de 2019

Outubro Rosa e o Skate

O mês de outubro acabou de começar e acredito que com ele começa uma grande mudança dentro do skate mundial, uma mudança que já deveria ter ocorrido a muito tempo, mas antes tarde do que nunca.
O Berrics divulgou recentemente a inclusão da categoria feminina na sua já tradicional batalha. Acho isso muito importante já que o nível do skate feminino é altíssimo há muito tempo e nada mais justo que está igualdade para as mulheres que fazem muito pelo skate e não é de hoje. Para mim é importante ver o Berrics enxergar está questão, assim como a ÖUS fez no seu vídeo “Gato Preto” colocando a parte cabreira da Atali Mendes, mostrando que hoje o skate feminino é uma realidade.
E o mês de outubro é um mês importante para as mulheres, por conta da campanha de prevenção ao câncer de mama entitulada “Outubro Rosa”.
O Outubro Rosa é o mês que simboliza a campanha mundial que tem por objetivo alertar sobre a importância do diagnóstico precoce e da adoção de hábitos saudáveis para prevenir o câncer de mama. Com isso, a importância da atividade física, como o skate, no combate ao câncer tem sido destaque dos principais guias médicos de todo o mundo. Juntamente com a adoção de um estilo de vida mais saudável, a atividade física (ppode ser o skate ou qualquer outra) é um dos melhores aliados de quem quer fugir de doenças crônicas. Sabia que apenas 5% dos casos de câncer (qualquer tipo) são por predisposição genética. Ou seja, 95% dos casos estão relacionados a um estilo de vida sedentário e pouco saudável, principal fator para o crescente número de casos de doenças crônicas, incluindo as cardiovasculares, o diabetes e o câncer.
Grande parte dos casos acontece em adultos e afeta principalmente a mama, o pulmão, o intestino, o útero e a pele. Médicos e especialistas aconselham atividades física como o skate no combate ao câncer. A prática regular está relacionada a uma redução de até 30% no risco de desenvolver a doença, além de ser um efetivo mecanismo no controle de peso, levando em conta que cerca de um terço dos casos apresenta relação com sobrepeso, obesidade e elevados percentuais de gordura localizada. Nesta hora o skate é de suma importância, já que é uma atividade de alto gasto calórico, e além de fazer bem para a saúde física ele apresenta muitos benefícios para a saúde mental. O diagnóstico precoce é fundamental para o tratamento ser bem sucedido, mas a prevenção ainda é o melhor remédio quando se fala do câncer de mama.
Por isso é importante um mês especial como o Outubro Rosa, para a conscientização da população. Mas não vivemos só de outubro, então que a valorização da mulher ocorra em todos os dias, meses e anos.
E para os amigos que ainda reclamam das meninas na sessão, lembrem se que elas manobram de verdade e que poderiam ser suas mães, mulheres ou filhas, então o respeito deve sempre prevalecer. Lembre-se: ande de skate, evolua e divirta-se.

domingo, 29 de setembro de 2019

O skate de alto rendimento

Na última semana tivemos a passagem da Street League aqui por São Paulo, e com a proximidade do ano Olímpico o skate vem ganhando cada vez mais público. Em uma conversa com amigos escutei um tema novo para mim dentro do skate, o skatista de alto rendimento.
Fiquei pensando muito sobre isso, afinal em outros esportes, temos atletas de alto rendimento, mas para mim dentro do skate éramos todos skatistas, profissionais (por serem remunerados), amadores pelo tempo de prática, iniciantes para participarem de campeonatos, mas no fundo todos skatistas.
A palavra alto rendimento/performance ganhou força nos últimos 4 anos dentro do esporte com a chegada dos “coach’s” que acreditam que um determinado padrão de rotina diário, interferem no objetivo final do atleta, certo ou não, não estou aqui para julgar isso.
No skate essa palavra veio até mim como uma definição de skatistas que querem competir, que vão treinar seu skate para uma prova, campeonato, olimpíada ou algo do tipo. Só que no meu modo de ver essa palavra e este tipo de pensamento não se encaixa no skate. Não conheço um skatista que não saia de casa para acertar suas manobras, sejam elas para manter o skate o pé, se divertir, evoluir, ou competir. O mesmo vale para a preparação física, que pode ser feita para otimizar o desempenho físico, manutenção da saúde e para a prevenção de lesões, o que não necessariamente tem a ver com competição mas sim com a longevidade no skate.
O alto rendimento faz parte do skate desde o dia em que você pisa nele, afinal a “briga” do skatista é com ele próprio, o cara que ganha o Street League e o cara que aprende a subir na guia com seu skate estão dando o seu melhor ali naquele momento, e isso é o mais legal que se tem no skate, e ninguém vai conseguir tirar isso dele. A briga de ambos passa a ser aprender novas manobras, melhorar o estilo, andar em lugares diferentes, pensar em linhas que ninguém nunca fez, isso torna o skatista único e não o resultado final de uma competição, para mim a mágica do skate está aí, ele nunca tem fim.
Um atleta faz um ciclo de treino de 4 anos, vai na olimpíada, faz o seu melhor, ganha a medalha, bate um recorde ou não e volta realizado para casa e se prepara para um novo ciclo. No skate os recordes e medalhas são diários, basta olhar no Instagram, YouTube ou qualquer rede social e ver o quanto de manobras cabreiras são descarregadas todos os dias no mundo todo.
Skatistas sempre serão skatistas, a briga é pela evolução interna, e não uma disputa entre equipes que um ganha e outro perde, no skate todos ganham e isso é fácil de se perceber, só ir em qualquer campeonato e ver o cara que ficou em último lugar mas que acertou as manobras que queria saindo com um sorriso no rosto.
Lembre-se: ande de skate, evolua e divirta-se.