sábado, 18 de fevereiro de 2017

A importancia do P.R.I.C.E no skate

As lesões em skatistas na grande maioria das vezes são repentinas, geralmente uma queda após uma manobra dar errado, entorses caindo errado sobre o skate ou até uma simples "pedrinha" no caminho podem trazer dores de cabeça e afastar o skatista por um longo período. Existem alguns protocolos simples de primeiro atendimento que podem evitar danos maiores e ajudar muito na recuperação do skatista, o principal deles é o P.R.I.C.E.
O protocolo P.R.I.C.E ( protection, rest, ice, compression and elevation), tem como objetivo recuperar o mais rápido possível uma lesão, minimizando a formação de edemas e aliviando a dor. Esse método é muito simples e consiste basicamente em cinco passos, que qualquer skatista tem condições de seguir e auxiliar o amigo lesionado. Esses passos são a proteção onde o indivíduo deve proteger a área afetada para evitar um dano ainda maior. O repouso é importante para que não haja esforço e sobrecarga sobre a lesão e não atrapalhe a recuperação, alem também de não expor o membro afetado a lesões secundárias. O gelo com o objetivo de evitar a progressão do edema, diminuir a dor local e os espasmos musculares. A aplicação do gelo deve ser feita de 15 a 20 minutos, com intervalos de 2 horas. O gelo deve estar envolvido envolvido em um pano ou plástico. Caso seja aplicado diretamente sobre a pele pode causar queimaduras devido a baixa temperatura. A compressão é muito útil pois auxilia na drenagem do edema. Quando uma região é comprimida, os espaços disponíveis para o edema são reduzidos e, consequentemente, o inchaço também. Essa compressão pode ser feita por meio de bandagens, é necessário certificar-se de que não esteja muito apertado, caso esteja, devemos remover a bandagem e recolocar novamente, porem um pouco mais frouxa. Por último e não menos importante temos a elevação, elevar o membro ajuda no retorno venoso, com consequente diminuição do edema. Essa drenagem ocorre de maneira mais eficaz caso o segmento em questão esteja acima do nível do coração.
É recomendado que o método P.R.I.C.E seja utilizado logo após a lesão, quanto mais cedo for feito a aplicação dos procedimentos melhores serão os resultados e consequentemente o retorno mais rápido ao skate.
 Lembre-se: ande de skate, evolua e divirta-se.

sábado, 11 de fevereiro de 2017

Contraste no skate

Uma das situações mais comuns no skate são os entorses no tornozelo e lesões nos punhos e nas mãos. Uma técnica de terapia simples que pode ser feita em casa trás um resultado muito bom para este tipo de problema, trata-se do contraste.
O Banho de contraste é uma técnica fisioterápica que promove alternância entre dilatação e constrição dos vasos sanguíneos por meio do uso intercalado de modalidades de calor e frio, respectivamente. É indicado para lesões articulares, em que há formação evidente do edema. Por realizar uma espécie de drenagem do edema, esta técnica é usada nas lesões das articulações distais do corpo, como tornozelo e punho
São usados dois recipientes dentro dos quais os locais atingidos devem caber por inteiro; em um deles coloca-se água quente, porém não insuportavelmente quente, e no outro, água gelada. A terapia deve começar mergulhando-se o local atingido em água quente, por um tempo de 3 ou 5 minutos (5 para casos mais graves). Em seguida e sem descanso, passa-se para a água gelada, por 1 ou 3 minutos (3 para casos graves ). Em cada sessão, essa técnica pode ser alternada 3 vezes, sendo que o tempo total da aplicação da técnica do banho de contraste é de 20 a 30minutos (20 para área menor/ edemas menores e 30 para áreas maiores/ edemas maiores). A sessão pode ser encerrada com o aquecimento ou com resfriamento. Essa terapia pode ser realizada até 4 vezes ao dia.
Se a técnica do banho de contraste for realizada associada a alguma outra técnica de redução de edema é recomendado finalizar a sequência da aplicação com o aquecimento, por facilitar o retorno ao padrão fisiológico. Mas se banho de contraste for a única técnica, ou a última técnica de um procedimento terapêutico a ser utilizada é indicado finalizar com o resfriamento.
Este é só o primeiro passo para uma boa recuperação, a parte de ganho de ADM, força e propriocepção além de outras técnicas de eletroterapia devem ser feitas com o acompanhamento de um fisioterapeuta que vai utilizar, parâmetros, exercícios e aparelhos compatíveis com sua necessidade. Andar de skate não é fácil, portanto cuide bem do seu corpo para sempre estar presente nas sessões.
Lembre-se: ande de skate, evolua e divirta-se.

sábado, 4 de fevereiro de 2017

Quadril de skatista

Há muito tempo venho falando sobre a importância do quadril para se andar de skate, principalmente na "abertura" do quadril que é uma forma de gerar potência e consequentemente aumentar o pop das manobras.
Hoje falaremos sobre os principais problemas que o skatista pode ter no quadril, o que certamente vai limitar bastante seus movimentos e o desempenho na sessão vai diminuir. O quadril é uma articulação localizada mais profundamente no corpo em relação às outras articulações dos membros inferiores. Por essa razão, muitas vezes ela é vista como complexa e menos intuitiva para o skatista. Não é como no joelho, por exemplo, em que basta dizer “dói na parte da frente” e está tudo explicado. Lesões relacionadas ao quadril podem gerar dor na lateral da coxa, na virilha, na frente da perna e em vários outros lugares, tornando difícil para um leigo explicar exatamente a estrutura que dói. 
Incomodo na virilha pode representar algo anormal na junta do quadril especificamente, onde o fêmur se liga à pelve resultado de desgaste na articulação, como a osteoartrose, ou lesões em estruturas ali localizadas, como o labrum acetabular (uma espécie de capa do quadril).
Problemas na articulação sacroilíaca, que fica no final da coluna, podem também gerar uma dor reflexa na parte anterior da virilha. 
Na região frontal do quadril passam dois músculos importantes: o ílio psoas e o reto femoral. Dores nessa parte da perna normalmente representam tendinites nos tendões de algum desses músculos. Já na parte lateral do quadril é o local de maior incidência de lesões skatistas. As mais frequentes são tendinite do glúteo médio e bursite. 
Algumas vezes o incomodo parece estar acima do quadril, quase já no tronco. Caso seja na parte de trás da pelve, é provável que seja uma inflamação no ventre muscular do glúteo médio. Já se a dor for na região lateral, pode ser algo relacionado aos músculos abdominais ou origem da banda iliotibial.
Em caso de dor sempre procure um médico e realize os exames de imagem para confirmar o diagnóstico. Siga o tratamento corretamente e volte a desfrutar de todos os benefícios que o skate proporciona.
 Lembre-se: ande de skate, evolua e divirta-se.

sábado, 28 de janeiro de 2017

A artrose no skate

As lesões no skate são sempre tema de preocupação entre os skatistas principalmente aquelas que não são perceptíveis, como a artrose, doença cartilaginosa degenerativa é uma doença de origem multifatorial que leva à degeneração da cartilagem articular, afetando todos os componentes da articulação. É um processo lento, progressivo e desabilitante, com alta prevalência na população adulta ativa, ligada a práticas esportivas como o skate.
As principais opções de tratamento não cirúrgico incluem analgésicos, anti-inflamatórios não hormonais (AINH) corticosteroides orais, drogas modificadoras da doença destacando-se a glucosamina e condroitina e as injeções intra- articulares de corticosteroides e de ácido hialurônico (visco suplementação) que é nosso assunto de hoje.
O acido hialurônico é produzido naturalmente por células da membrana sinovial e, junto a outras moléculas, compõe o “liquido sinovial “, responsável pela lubrificação e nutrição do tecido cartilaginoso.
A criação do acido hialurônico exógeno (sintético) para a infiltração articular começou nos anos 90. Inicialmente, acreditava-se que seu efeito seria puramente por mecanismo hidráulico. Ou seja, aumentando a superfície de contato cartilaginosa e assim reduzindo se a pressão articular. Após a utilização e novos estudos foram constatados novos benefícios como a redução da ativação de células inflamatórias responsáveis pelo desencadeamento da cascata inflamatória que causa destruição articular da artrose, o estímulo da produção do próprio acido hialurônico (endógeno), com melhoria da viscosidade do líquido sinovial, a estabilização da degradação da matriz cartilaginosa, o estímulo da produção de células cartilaginosas e do colágeno tipo II e a ação direta e receptores de dor articular causando analgesia prolongada .
A indicação da visco-suplementação varia de paciente para paciente e a composição do produto, pelo grau da lesão cartilaginosa. É importante que além dos exames de imagem, seja feito um teste biomecânico direcionado ao esporte para avaliar a função muscular afetada pela doença pré-existente.
A visco-suplementação nunca deve ser instituída como terapia única e sim sempre associada a uma boa reabilitação, seguida de fortalecimento e reequilíbrio muscular.
É importantíssimo que o médico explique muito bem os efeitos desejados da infiltração, possíveis efeitos colaterais e que o paciente tenha sempre em mãos o nome do produto utilizado na infiltração. Cuidar do seu corpo é fundamental para seguir andando de skate com alegria e segurança.
Lembre-se: ande de skate, evolua e divirta-se.

sábado, 21 de janeiro de 2017

A artroscopia no skate

A evolução do skate vem atingindo níveis inimagináveis de manobras, a cada dia novos skatistas ao redor do globo apresentam alguma novidade que deixa todo mundo de "cara", motivando todo mundo a se puxar mais na sessão para aprender as novas tricks.
Essa evolução tem um preço e quem geralmente paga a conta é corpo do skatista que se desgasta muito e quando não está preparado para tamanha exigência acaba sofrendo lesões. Algumas sem muita gravidade e outras que requerem uma atenção maior chegando em alguns caso a ser necessário a realização de cirurgia para sanar o problema. Hoje falaremos sobre uma técnica cirúrgica cada vez mais comum no skate, a artroscopia.
Artroscopia é um procedimento minimamente invasivo que permite aos médicos diagnosticarem e tratarem lesões articulares e doenças através de pequenas incisões na pele. Muitas vezes é realizado para confirmar um diagnóstico feito após um exame físico e outros testes de imagem, como ressonância magnética, tomografia computadorizada ou raios-X. Durante um procedimento artroscópico, uma fina luz de fibra óptica, lente de aumento e câmera de televisão minúscula são inseridos na área do problema, permitindo que o médico examine a articulação em grande detalhe.
Para alguns pacientes é então possível tratar o problema utilizando esta abordagem ou com uma combinação de cirurgia artroscópica.
Lesões esportivas são muitas vezes reparáveis com artroscopia. As lesões ligamentares no joelho são frequentemente reparadas desta maneira, pois os mesmos são intra-articulares. Outras lesões potencialmente tratáveis incluem degenerações e lesões condrais de cartilagem ou ligamentos, revestimento das articulações inflamadas, síndrome do túnel do carpo, ruptura do manguito rotador e osso solto / corpo livre ou cartilagem. Existem também as cirurgias endoscópicas que pela mesma técnica ajudam de forma minimalista de tratar lesões e problemas que não são articulares.

Por ser minimamente invasiva, a artroscopia oferece muitos benefícios ao paciente em relação à cirurgia tradicional como menos sangramento durante a cirurgia, menos cicatrizes, incisões menores, recuperação mais rápida e retorno às atividades regulares e reabilitação mais rápida e confortável.
É muito importante buscar auxílio médico ao menor sinal de lesão e sempre seguir o tratamento médico e fisioterapêutico até o final, tendo uma recuperação completa e deixando seu corpo apto para voltar a manobrar.
Seu corpo é sua principal ferramenta para andar de skate, por isso cuide bem dele.
 Lembre-se: ande de skate, evolua e divirta-se.