sábado, 14 de julho de 2018

O caminho de P.Rod

Nesta última semana um dos grandes nomes do skate postou um vídeo mostrando uma lesão que o afastou do skate, trata se de ninguém menos que Paul Rodrigues.
O vídeo mostra como ele machucou o joelho e o início do processo de reabilitação.
Com certeza terão mais vídeos mostrando sua volta ao skate e assim que saírem novos episódios vamos atualizando aqui no site para manter vocês informado sobre a recuperação deste grande skatista e empresário.
no skate todos estão suscetíveis a lesões, desde o renomado skatista profissional ate você que começou a andar agora. A melhor maneira de se prevenir lesões esta na preparação física, portanto invista nestas atividades e aproveite ainda mais o skate.
Lembre-se: ande de skate, evolua e divirta-se.

sábado, 7 de julho de 2018

Dor muscular no skate

Toda atividade física, inclusive o skate que é uma atividade física de auto impacto, principalmente em iniciantes ou quando se aumenta a quantidade de sessões, provoca uma dor muscular no dia seguinte, chamada de dor muscular de início tardio.
Ela é normal, faz parte do esporte e inclusive é benéfica para o corpo. Mas, você sabe diferenciar essa dor natural de uma dor causada por lesão?
A dor muscular tardia acontece um ou dois após a realização de exercícios. Antes acreditava-se que o culpado por esse desconforto era o acúmulo de ácido lático, mas pesquisas recentes descartam essa ideia. A verdade é que os mecanismos microscópicos envolvidos nessa dor ainda não são totalmente conhecidos.
Sentir-se dolorido após uma sessão de skate tem suas vantagens. Isso significa que seu músculo passou por um estímulo e, ao final da recuperação, estará mais preparado para as próximas sessões. Porém, vamos aos sinais de que essa dor não está normal e pode ser uma lesão, a dor não diminui em até 72 horas, o incomodo não é no ventre muscular e sim na articulação, a dor parece uma pontada aguda no músculo e não uma sensação de rigidez, que é o esperado na dor muscular tardia, há hematoma, região vermelha e inchaço
Entender o corpo e seus limites é essencial para ter longevidade no skate.. Por isso, caso haja suspeita de que a dor não seja algo normal, é preciso manter a atenção, diminuir o ritmo, e se persistir procurar ajuda médica.
Andar de skate é muito prazeroso, faz bem para a saúde física e mental do skatista, mas para que isso ocorra de forma plena alguns cuidados são sempre necessários.
Lembre-se: ande de skate, evolua e divirta-se.

sábado, 30 de junho de 2018

Importancia da alimentação para o skatista

Cada vez mais a preparação física vem fazendo parte da rotina dos skatistas, ela é um dos pilares para tentar otimizar seu desempenho no skate e também minimizar o risco de lesões.
Além do descanso que também é fundamental como nós já mostramos aqui, outro ponto importante é a alimentação que via de regra não é levada em consideração pelos skatistas.
Essa semana o Berrics soltou um vídeo do skatista profissional Neen Williams, que se tornou um símbolo de mudança de lifestyle dentro do skate, cozinhando.
Neen vem soltando periodicamente vídeos mostrando sua rotina de treinos, alongamentos e sobre sua alimentação, além de vídeo partes cabreiras como a da Shake Junk.
E aí como anda a sua alimentação?
Antes de seguir qualquer dieta ou mudar a alimentação consulte sempre um médico ou um nutricionista.
Lembre-se: ande de skate, evolua e divirta-se.

sábado, 16 de junho de 2018

Treino funcional funciona?

Durante algum tempo tive o privilégio e o prazer de ser colunista da revista Tribo, que sempre foi uma grande influência é referência para o meu trabalho e principalmente para a minha formação como skatista. Hoje resolvi compartilhar um texto que escrevi para a revista falando sobre a importância do treinamento funcional dentro do skate, um tema atual e de relevância para os skatistas.
“Gostaria de falar sobre uma metodologia de treinamento importante dentro do skate, mas que nem sempre apresenta os resultados esperados pelos skatistas, o treinamento funcional.
Este tipo de treinamento visa melhorar a capacidade funcional, que é a habilidade de realizar as atividades normais da vida diária com eficiência. Ele é caracterizado pela semelhança do trabalho com as situações cotidianas e baseia-se no princípio da especificidade (direcionado a alguma modalidade).
As situações do cotidiano requerem o emprego de movimentos e gestos motores que exigem o trabalho de diversos grupos musculares ao mesmo tempo. A proposta dos exercícios funcionais é justamente promover ações musculares em conjunto e simultâneas, proporcionando um trabalho corporal mais globalizado e completo. E o que isso tem a ver com o skate?
Sempre que temos por objetivo otimizar desempenho em uma atividade bem específica como o skate, precisamos entender os padrões de movimentos e as necessidades do seu praticante, para então avaliarmos o indivíduo, estudarmos seus pontos fracos e depois desenvolvermos estratégias de treinos para que ele melhore seu desempenho sobre o skate e minimize o risco de lesões.
Neste ponto, vemos muitos skatistas reproduzindo padrões de movimentos e exercícios voltados para outros esportes ou somente para atividades de vida diária e com pouca utilidade para seu objetivo sobre o skate. É muito importante que os professores entendam sobre o skate e seus pontos de performance, lesões e que os skatistas deixem claro suas metas para que a preparação física dentro do skate cresça, com skatistas bem condicionados, índices menores de lesões buscando a evolução do esporte e satisfeitos com os resultados do seu treino.
Na preparação física, o objetivo é um fator determinante. Se o seu treinamento visa somente uma melhora na qualidade de vida, os padrões de movimentos utilizados e a intensidade proposta não influenciam diretamente no seu skate. Agora se o treinamento visa uma melhora da performance no skate, a periodização e os movimentos aplicados têm que ser específicos e muito bem trabalhados para que o resultado final agrade a todos, tanto o skatista como seu preparador físico".
Lembre-se: ande de skate, evolua e divirta-se.

sábado, 2 de junho de 2018

Lesão no menisco em skatistas

As lesões dos meniscos são muito frequentes no skate devido à alta incidência de torções de joelho em manobras de giro que não saem com perfeição. Rupturas meniscais normalmente ocorrem em conjunto com outras lesões no joelho, principalmente com a do ligamento cruzado anterior (LCA). Os meniscos são estruturas fibrocartilaginosas e têm basicamente a função de amortecer forças aplicadas ao joelho em todo o arco de movimento. Ou seja, quando você corre, rema ou da um ollie, o menisco “amortece” e distribui melhor seu peso para que não haja sobrecarga na cartilagem articular.
Classicamente, quando lesionados, os meniscos causam sintomas característicos, como dor bem localizada com períodos de alívio e agravo a determinados movimentos, como agachar e cruzar as pernas, inchaço, e bloqueio (travamento). É aquela dor na região de dentro ou de fora do joelho que tem períodos de melhora e piora, e que, muitas vezes, obriga o paciente a dormir com uma almofada entre as pernas.
Historicamente, o tratamento das lesões meniscais se dava pela retirada de pedaços ou até mesmo de todo o menisco. Técnica denominada meniscectomia. Isso ocorria porque não se tinha ideia da importância do menisco para a função do joelho e de sua íntima relação com a cartilagem articular. O resultado desses procedimentos amplamente realizados, principalmente nos anos 90 e até a metade dos anos 2000 é de uma grande quantidade de pessoas com graus variáveis de artrose.
O consenso mundial hoje é que deve-se ao máximo preservar o menisco em pacientes jovens com lesões extensas, e nos casos em que há desvio de eixo (pernas tortas), pois estes casos podem evoluir mais rápido para degeneração (desgaste) e se tornarem de difícil tratamento. Isso, especialmente em pacientes jovens que sofreram lesão traumática há pouco tempo.
O desenvolvimento de técnicas novas de sutura, incluindo fios e dardos absorvíveis facilitou muito a indicação do procedimento que hoje se limita a uma pequena parcela dos pacientes, principalmente aqueles que tem a chamada lesão degenerativa, comum em indivíduos com mais de 40 anos.
O procedimento é feito por artroscopia, na qual o cirurgião visualiza e manipula a estrutura através de portais (pequenos furinhos da regiao anterior do joelho). Existem inúmeras técnicas, marcas e dispositivos de sutura para que seja realizada. Ao terminar, o cirurgião testa a estabilidade do menisco. Estando firme, fecha-se os portais e inicia-se o período pós-operatório.
Neste caso o uso de muletas é recomendado pelo período de seis semanas, onde o fisioterapeuta realiza a eletroestimulação do quadríceps, mantém o arco de movimento e analgesia. Após as seis semanas, dá-se sequência ao ganho de força e agilidade, direcionados ao skate e o retorno às sessões, entre quatro e seis meses.
Infelizmente, nos casos em que a cicatrização não ocorre, uma nova artroscopia é necessária para se retirar o fragmento lesionado, seguido da reabilitação tradicional e retorno ao skate.
A preparação física é o melhor caminho para se proteger de lesões, portanto prepare seu corpo para andar de skate e aumente sua longevidade sobre ele.
Lembre-se: ande de skate, evolua e divirta-se.