quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Entrevista - Vanderlei Arame

“Feito pela primeira vez, ou que tem caráter e estilo próprio, que não imita nem segue nada ou ninguém, novo.” Segundo o dicionário esta seria a definição para a palavra Original, mas que cabe muito bem para o nosso entrevistado deste mês no Skate Saúde. Um skatistas que mistura manobras old-school com manobras técnicas em combos cabreiros, seu visual é algo a parte que o torna único no meio da multidão, uma pessoa livre de preconceitos e que leva a família, os amigos e o skate dentro do coração, para qualquer sessão, seja ela em uma fabrica abandonada no ABC paulista ou em algum pico famoso da Califórnia ou Europa, um dos skatistas mais respeitados no Brasil e que tenho orgulho em chamar de amigo, seu nome Vanderlei Arame.


Foto- Alan Carvalho

Nome: Vanderlei Faria de Oliveira
Idade: 22 anos
Tempo de skate: 11 anos
Local: São Bernardo do Campo/Santo Andre
Patrocínio: DPR, Pescoço Preto


Nollie Hard Hell Foto- Alan Carvalho

SS- Primeiramente fale para nós como surgiu este apelido?
Teve um aniversário em casa, da minha mãe, e ela convidou umas amigas dela que eu não gostava ai eu peguei e amarrei um arame na arvore que dava de entrada com a minha casa, enfim elas chegaram e todas caíram com o bolo e tudo, meu pai bravo falou “é seu arame”, ai ficou.

SS- Arame conte como foi seu início no skate, como você conheceu o carrinho e o que motivou você a andar?
No inicio minha mãe me deu uma bike novinha, e acabei trocando ela com um amigo meu em um skate velho, mas mesmo assim eu curti e estou ai até hoje, isso já tem 11 anos.

SS- Quem eram suas influencias no início e quem são suas referencias ou ídolos no skate?
No inicio foi meu irmão, a gente sempre ia andar junto, depois fui conhecendo as pistas e outros lugares, mas no inicio foi na pista de SBC. La eu tive grandes influencias como Jeff, Buiu, Preto, Rudi, Xandão, Piui, Ataliba entre outros.

SS- Você fez uma grande carreira como amador, quais as principais lembranças que você tem desta época?
A tenho ótimas lembrança da minha época como amador, pois nessa época viajava muito e tinha a oportunidade de conhecer lugares e pessoas novas, e tenho boas recordações da época que tinha os circuitos da Drop Dead, era louco e a galera toda ia, boa época.





SS- E a passagem para profissional, como foi à concretização deste sonho?
Eu nunca pensei em passar para pro, sempre quis andar de skate e me divertir, mas quando fui ver eu já não tinha para onde correr, mas me sinto muito feliz por isso, é sinal que fiz um bom trabalho.

SS- Logo no primeiro campeonato como pro você acabou vencendo, conte para nós como foi este momento?
Foi muito legal esse momento, pois eu estava andando com os caras que sempre foram para mim um incentivo, os caras que sempre via na TV. E lá eu andei e me diverti, graças a Deus consegui ganhar o campeonato.

SS- Sempre vejo imagens sua andando em picos que parecem impossíveis de andar, muitos deles você coloca a mão na massa e acaba arrumando o pico para ele se tornar skatavel, de onde vem tanta criatividade e coragem para explorar estes lugares inimagináveis?
Vem da necessidade de picos aqui no Brasa e a fé que tenho em Cristo.

SS- Por falar em picos você fez uma mini-ramp, conte para nós como surgiu esta idéia, o processo de construção e qual foi o final da sua pista particular?
Então essa idéia veio por que estava chovendo demais, e não tinha lugar para andar ai resolvi juntar meu irmão e alguns amigos para fazer a mini-ramp.





SS – Viagens são uma das coisas mais legais de se fazer para andar de skate, quais os melhores lugares que você já andou dentro e fora do Brasil?
Aqui no Brasa gostei muito do Rio de Janeiro, Minas Gerais, Campinas, Curitiba entre outros, e fora do Brasa eu curti ir para Califórnia e alguns lugares da Europa, Suécia, Dinamarca e Roma.

SS- Você é um skatista que já produziu grandes partes de vídeo, como você encara esta evolução dos vídeos de skate no Brasil e o que você acha que ainda falta para melhorar no skate brasileiro?
Então esta evoluindo bastante no Brasa mais falta mais apoio das marcas, para o skate evoluir cada vez mais no Brasil.

SS- O ABC paulista é uma região de grandes skatistas, você faz parte de uma geração que vem se destacando muito no skate brasileiro e mundial, qual a razão de saírem tantos bons skatistas ai do ABC e quem são os próximos nomes que ainda vão se destacar?
Por serem cidades grandes e com bastantes pistas, isso facilita um pouco para nós, e vários lugares como fabricas e shopping abandonado pra andar.
E alguns nomes pra mim, João Gabriel, Kaue Cossa, Willian New, Minduim entre outros.

SS- Recentemente tive a oportunidade de conviver com você por um longo período durante dois campeonatos, o The Best Team e o Desafio de Rua, como você enxerga estes eventos com formatos diferenciados e o que você tem a dizer sobre a falta de campeonatos profissionais aqui no Brasil?
É muito importante coisas novas para o skate, e a falta de campeonatos pro é uma falta de vergonha né, pelo fato de ser o segundo esporte mais praticado no Brasil.


FS Board Slide Foto- Alan Carvalho

SS- Você agora esta começando um novo lado no skate, o lado de empresário com a sua marca a Pescoço Preto, como surgiu a idéia e quais os seus objetivos com a marca?
A idéia surgiu pela necessidade de fazer uma parada com a nossa cara, do jeito que a gente gosta que os empresários nunca fossem fazer. O objetivo é ajudar outros skatistas a fugirem desses sanguessugas.

SS- Seu estilo de skate é diferente, sua forma de se vestir é extremamente autentica, qual a trilha sonora ou bandas que embalam o seu dia a dia e move você durante as sessões?
Muito Raul Seixas, Cazuza, Zé Ramalho, Sabota entre outros.

SS- Falando em estilos e diferenças, você estrelou o Tricks of Gangster da DPR, que para mim foi uma das melhores coisas do skate brasileiro em 2010, como foi participar deste projeto e o que podemos esperar para a segunda temporada?
Esse projeto, eu me sinto muito grato de ter participado, por se uma parada que mistura estilos, uma parada sem preconceitos, o skate sendo sempre skate independente de qualquer coisa.
Eu espero fazer algo novo tão bom quanto esse, aguardem.

SS- Para fechar, quais seus planos para o futuro?
Viajar bastante, filmar, fotografar e mostrar o skate se preconceito para todos.
Skate diversão! “qp” is not dead...




Tricks of Gangster #10 – Arame e Laurence Reali from DPRtv on Vimeo.



Agradecimentos:Primeiramente a Deus, a família “qp” , a todos que gostam do meu skate, e a todos meu amigo e em especial ao Thiago que me deu essa oportunidade, valeu, viva Jesus!!! “qp”.

2 comentários:

Paulo Tiago Oliveira disse...

oh materia da hora tiago! vanderlei tem realment originalidad! sou estudant de educaçao fisica do IFCE e skater de juazeiro do norte /ceara. depois gostaria de escrever alguns trabalhos com voce... continue assim bom trabalho cara!!!

Thiago Zanoni Neves "Pino" disse...

Agradeço suas palavras e estou a disposição se quiser escrever algum trabalho.
Agradeço o comentário.
Abraço