sexta-feira, 25 de junho de 2010

Entrevista - Gian Naccarato

Na semana do “Go Skateboarding Day”, a celebração mundial do skate, tivemos o prazer de entrevistar um dos maiores skatistas dos últimos tempos, que faz do skate não somente mais um dia na sua vida e sim dedica toda a sua vida ao skate.
Vem desde o principio se destacando nas transições dos halfs paulistanos, deixando suas marcas pelas ruas de SP, fritando as bordas do Vale e de muitos picos espalhados pelo Brasil inteiro alem de marcar presença nos principais picos dos EUA, Europa e América Latina. Fez memoráveis partes de vídeos e agora faz vídeos inteiros como produtor, editor e vídeo-maker.
Com toda esta experiência no skate conseguiu superar barreiras na vida, o entrevistado do mês no Skate Saúde é sinônimo de switchstance e certeza de manobras de alto nível na sessão, confira agora um pouco mais sobre Gian Naccarato.

Nome: Giancarlo Naccarato
Idade: 31 anos
Tempo de skate: 21 anos
Local: São Paulo
Patrocínio: Urgh, Urghstore, OUS, Eleven, Type-s e BS Crew.

BS Noseslide Mega Rampa no Anhembi Foto- Edgard Gonçalves

SS- Gian você é um dos skatistas que eu conheço que mais tem base no skate, tendo andado no vertical antes do street, no que isso te ajudou e como foi esta transição de modalidades?
Comecei a andar no QG Skate Park, onde tinha half, mini ramp, banks e muita transição mesmo, ai quando fechou, fui para a Prestige onde tinha uma área de street maior e dela comecei a andar na rua.
A transição é primordial para o street, ajuda muito, influencia na velocidade, nas manobras de borda em um todo.

SS- Cite para nós alguns skatistas que te influenciaram e alguns que você ainda acha que vai dar muito que falar?
Guilherme Naccarato, Gino Ianucci, Henry Shanchez, Danny Way, Colin Mckey Bob Burnquist, Erasmo Sucrilhos, Nilton Rabelo, todos da BS Crew e alguns que não me vem na mente agora.
Esses sempre vão dar o que falar!

SS- Você fez parte da Double Gee antiga marca de skate nacional que tinha uma equipe muito style, como foi esta fase da sua carreira e quais as lembranças desta época?
Foi uma fase muito boa, sempre andado com materiais novos de qualidade e isso ajudou muito na minha evolução.

SS- Outra empresa que marcou época e até hoje é muito lembrada aqui no Brasil e você fez parte foi a Son, pela identidade, as demos e principalmente pelo vídeo “Open Your Mind”, o que mais te marcou neste período e como foi participar deste projeto?
Muitas lembranças dessa época, sem duvida a Son foi uma parada diferente de tudo, os logos, anúncios, primeiros shapes de maple, demos, o vídeo era tudo muito style. O Open Your Mind tem manobras que até hoje são difícil e que eu só vi naquele vídeo.
A Son é uma família que existe ate hoje.

SS BS Crooked Av. Rebouças Foto- Heverton Ribeiro

SS- Você foi um dos primeiros caras que eu me lembro a mandar varias manobras de switch, como o clássico SS 50/50 que saiu no vídeo Chiclé, a que se deve esta facilidade em acertar manobras de base trocada?
Acho que a partir do momento que começou o SS, fui aprendendo a andar se switch e foi natural a evolução, sempre procurando me superar.

SS- Morar nos EUA e construir uma carreira lá é a vontade da grande maioria dos skatistas brasileiros, você foi para lá varias vezes chegando até a morar por um período, o que motivou a sua volta e cite o que tem de melhor e pior nos EUA quando comparado com o Brasil?
A comida do Brasil é a melhor do mundo, o povo aqui que é mais acolhedor, lá como é primeiro mundo tem mais picos skataveis.
Sempre que estou lá tenho saudade daqui, família, amigos, fui nascido e criado aqui, me sinto muito em casa em Sampa e no Brasa, e agora construí uma família aqui e por enquanto pretendo morar no Brasil.

SS- Como surgiu a BS Crew e quem faz parte desta família?
Surgiu de uma união muito forte, amigos de verdade, sempre zuando, andando de skate independente de qualquer coisa, andar de skate e se divertir e fora do skate se divertir também e se ajudar, essa e a ideologia da BS Crew.
A BS Crew é o Brasil Skate, agente diz que qualquer um pode ser da BS Crew, hoje tem o Andre Genovesi e o Felipe Nery nos EUA, Jailson Siqueira, Fabio Castilho, Paulinho Barata, Marcelo Formiga e eu.

SS- Nosso projeto visa à saúde e bem estar dos skatistas, e você passou por um problema que atinge boa parte da população mundial e poucas pessoas conseguem superar que é a depressão, como você conseguiu virar esta página e superar um momento tão difícil?
A depressão é a pior doença que existe, é uma parada da mente, do psicológico, nem médico consegue curar, foi à pior coisa que aconteceu na minha vida e meus pais me apoiaram muito estiveram ali do meu lado todo o tempo passando por tudo isso comigo, isso me ajudou muito, mas quando você esta deprimido parece que nada adianta ninguém, mas mesmo assim você tem que ter fé, muita fé, muita mesmo e paciência, aceitar as coisas, sempre tive muita fé e por isso estou aqui hoje, tendo o prazer de responder isso.

Fs 50/50 Barcelona Foto- Anderson Maringá

SS- O nascimento de um filho é algo marcante na vida de qualquer pessoa, como o nascimento do seu filho influenciou na sua vida e conseqüentemente no seu skate?
Foi a melhor coisa que aconteceu na minha vida, sem duvida, com um filho você naturalmente se policia a correr atrás, lutar com garra, fazer acontecer mais e mais, e isso reflete no meu skate, ando mais empenhado, com mais vontade, mais maduro assim como homem.

SS- Por falar em família seu pai ajudou na produção dos vídeos da BS Crew, como é fazer um vídeo de skate em família e qual o papel do seu pai nestas produções?
E muito style fazer um vídeo em família ainda mais com o meu pai, nos divertimos muito, aprendemos juntos, às vezes nos desentendemos (risos), mais é muito loco, ele me ensina muito.
Meu pai cuida de várias coisas, animações, menus, alguns efeitos é muito empenhado, muito correria e me espelho muito nele.

SS- E os vídeos BS Crew e Underground Style como surgiu e idéia de produzi-los e quando podemos esperar por um novo lançamento?
Underground Style é um projeto desde 1997, 1998 que foi quando comprei minha primeira câmera e foi dai que surgiu o vídeo da BS, já com mais estrutura, com uma ilha de edição e tudo mais.
Faço um revezamento, sempre lanço um depois o outro, agora no começo do segundo semestre vai ter mais um lançamento mais ainda é segredo.

SS- Você tem um model de tênis pela Oüs, como foi o processo de criação e qual a importância deste model para a sua carreira?
Sem duvida uma das maiores conquistas na minha carreira se não a maior, tenho orgulho de ter um model de tênis ainda mais sendo pelo OUS é muito style, aprendo muito no processo de criação dos tênis, os materiais que são utilizados, combinações, tenho total liberdade para falar o que penso, e isso é muito importante.

SS- A Oüs é um empresa nova que vem se destacando muito pela qualidade da sua equipe, pelos produtos lançados e por excelentes vídeos produzidos, fale para nós como foram as viagens para Barcelona e para o Chile junto da equipe e como foi a aceitação do material produzido nestas tours?
Foi muito style as viagens, uma mais style que a outra, sem dúvida umas das viagens mais legais e produtivas da minha vida, foi muito loco ver meu model numa vitrine de uma loja de um shopping no Chile, o tênis já vende lá, e em Barcelona era impressionante sempre que chegava no Macba percebia pessoas olhando para nossos pés e alguns até vinham e perguntavam, queriam saber dos tênis, muito gratificante.

Nollie FS 180 to SS Nosegrind São Caetano Foto- Guilherme Puff

SS- Você acaba de lançar um model de shape pela Eleven, qual a sua opinião sobre a produção de promodels aqui no Brasil?
Acho que a partir do momento que você passa para profissional e têm patrocínios, você tem que trabalhar junto o nome da marca com o nome do atleta, sem o atleta não existe marca e o atleta precisa de um suporte de verdade para divulgar a marca e seu nome vinculado com ela.

SS- Dentre tantos picos que você já andou no mundo, qual é aquele que você tem vontade de levar para casa e por quê?
Em Rubi que é uma pracinha com umas transições na Espanha que gostaria que tivesse algo parecido aqui em Sampa, mas não existe (risos).

SS- Através do skate conhecemos muitos lugares, pessoas e vivemos situações que só quem anda de skate sabe, qual a principal lição que você aprendeu no skate?
Aprendi que o skate é um meio de locomoção que pode te levar aonde você quiser literalmente, quebra qualquer barreira, passa por qualquer obstáculo e a sensação de andar de skate, acertar uma manobra que você quer é única e indescritível, aprendo muito andando de skate e isso não aconteceria se eu não andasse de skate.

SS- Quais os planos para o futuro Gian?
Novas conquistas, viajar para Europa e EUA, não só para andar, como para passear e fazer mais pelo skate, sempre mais.

Agradecimentos: A Deus, minha família, a oportunidade pela entrevista, fico muito grato. Aos meus patrocinadores e ao skate

2 comentários:

Alex Cardoso disse...

Parabens gian vc merece um exemplo de pessoa
DEUS ABENÇOE VC E SUA FAMILIA SEMPRE

tartaruga morde ????
KKKKK

Ananda Araújo. disse...

houhouhou!
Dá-lhe Gian. A quanto tempo heim? Essa entrevista serviu pra matar a saudade.

Abraços!